"Quase fui expulso do colégio por causa do cinema", diz Walter Salles4 - :: Paraiba Urgente :: Portal de Notícias

“Quase fui expulso do colégio por causa do cinema”, diz Walter Salles4

WALTER sALESWalter Salles tinha entre 10 e 12 anos quando sua relação com o cinema ficou realmente intensa. Ele morava na França e a vida de diplomata do pai, também Walter, obrigava a família a pular de uma país para o outro. “Eu odiava o mau humor dos parisienses. Eu odiava croissant. Por isso ia ao cinema quase todos os dias. Descobri na tela que o mundo tinha mais possibilidades do que aquelas que eu conhecia”, disse o cineasta no encontro com o público no projeto Filmes da Minha Vida, promovido pela Mostra de São Paulo nesta sexta-feira (25).

“Era uma experiência totalmente solitária, mas me sentia em contato com as pessoas. Solitário mesmo eu me sentia naquele apartamento, na rua”, disse ele para uma plateia atenta, que lotou a sala 4 do Espaço Itaú Augusta de Cinema.

Nessa época, Waltinho, como é chamado pelos amigos, estudava em um colégio conservador. Quando voltou às aulas depois de um período de férias, o professor pediu para que os alunos fizessem uma redação sobre os dias de folga. “Fiz uma lista de filmes que tinha de neorrealismo italiano aos filmes do Godard. Quase fui expulso. Os professores diziam que eu via filmes que não deveria ver”, contou ele.

A presença de Walter Salles na Mostra foi comemorada pela diretora Renata de Almeida, que contou à plateia que já havia convidado diversas vezes o cineasta para participar do projeto. “Desta vez, ele finalmente aceitou”.

Salles começou o bate-papo dizendo que tem pavor de falar em público e que por isso chegou ao local preparado para enfrentar a plateia, que contava com muitos estudantes de cinema. Na mão, ele carregava diversas fichas que traziam os nomes de filmes e informações importantes sobre eles.

O diretor de “On the Road” e “Central do Brasil” mostrou também o curta-metragem que fez em comemoração aos 60 anos do Festival de Cannes. Feito sob encomenda para o evento, no curta Salles apresenta para o filho Vicente, que na época tinha apenas seis meses de vida, alguns filmes que marcaram a sua vida. Entre eles “Vidas Secas”, de Nelson Pereira dos Santos, “Paris, Texas”, de Wim Wenders e “O Grande Ditador”, de Charles Chaplin. No filme, o bebê aparece totalmente atraído pela imagem de Chaplin brincando com o globo terrestre. “Quase não deu certo. No primeiro momento, o Vicente não demonstrou nenhum interesse pela imagem, mas depois ele ficou totalmente tomado por aquilo”. Hoje, seu filho tem sete anos de idade.


Mostra de SP: Cinco filmes que você não vai ver em outro lugar5 fotos

1 / 5

“UM DIA NA VIDA”, de Eduardo Coutinho
Maior documentarista do Brasil, Eduardo Coutinho fez este filme para uma exibição única numa Mostra, anos atrás. O longa é uma colagem de imagens de um dia na televisão aberta brasileira. A seleção das cenas não obedece a uma ordem nem vem com um juízo de valor do cineasta sobre o assunto, mas o próprio recorte do material apresenta a visão dele sobre a TV no país. A retrospectiva de Coutinho cria duas novas oportunidades para assistir ao filme dentro da Mostra .
Por Chico Fireman >> VEJA A PROGRAMAÇÃO Reprodução

Ponto de virada
Salles disse que sempre há um filme que faz com que você decida ser um cineasta e isso aconteceu com ele ao 16 anos, quando viu “Profissão: Repórter”, de Michelangelo Antonioni. “O filme terminou e eu não conseguia sair da cadeira. É um filme que deixa todos os sentidos livres. Acho que foi Antonioni quem melhor retratou a crise existencial pós revolução industrial. Esse filme ecoa em mim até hoje”, disse.

Citando mais de 10 filmes em uma conversa que durou mais de uma hora, o cineasta diz que estava sendo injusto por deixar muitas obras de fora, mas que pôde observar que os filmes que mais marcaram sua vida são aquele que falam sobre um momento de ruptura na história e de certa forma nos personagens.

Além de falar sobre o neorrealismo italiano e a nouvelle vague francesa, o diretor também falou de filmes brasileiros, como “Deus e o Diabo na Terra do Sol”, de Glauber Rocha. “Muitos que estavam na mesma sessão que eu choraram ao final do filme. Ao meu lado, sentou o psicanalista Hélio Pellegrino, que me disse: ‘esse filme pega na jugular da brasilidade’. Isso me marcou muito”.

Salles terminou o papo afirmando que não sabe muito bem o que esperar do futuro do cinema, mas que tem esperanças de que sempre haverá um ângulo diferente pelo qual a história possa ser contada. “Mesmo com um mundo tomado pela televisão e celulares, vemos produções como ‘O Som ao Redor’, de Kleber Mendonça Filho. O filme é um caleidoscópio de situações. Uma coisa dificílima de fazer. Esse filme me devolveu a fé no cinema”, disse.

 

Uol