Queda nas ‘commodities’ reduz em US$ 25 bi exportações do Brasil.

fundo de comodietesPorto do Rio – Fabio Rossi / Agência O Globo

BRASÍLIA – A queda livre dos preços das commodities agropecuárias, metálicas e minerais exportadas pelo Brasil afeta fortemente a balança comercial brasileira, que só registra superávit em 2015 porque as importações estão caindo mais do que as vendas externas, reflexo do desaquecimento da economia. Estimativa da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério do Desenvolvimento e Comércio Exterior (Mdic) mostra que, somente por causa do declínio das cotações de três categorias de produtos cotados em bolsas internacionais — complexo de soja; minério de ferro; e petróleo e derivados — o país deixará de ganhar cerca de US$ 25 bilhões com exportações em 2015.
— Se os preços dessas commodities estivessem no mesmo patamar do ano passado, com a expansão do volume vendido no exterior, as exportações poderiam crescer US$ 25 bilhões nessas três categorias de produtos. Se levássemos em conta todas as commodities, a soma seria bem maior — disse ao GLOBO o secretário de Comércio Exterior, Daniel Godinho.

QUANTIDADE SOBE 7,2%

Segundo Godinho, esses três itens responderam por 78,8% da queda de US$ 20,7 bilhões no valor absoluto das exportações, nos sete primeiros meses de 2015, ante janeiro a julho de 2014. Enquanto a quantidade exportada aumentou 7,2% em relação ao mesmo período de 2014, os preços desses produtos caíram 21%. No caso do minério de ferro, o preço recuou 51% este ano, ficando no menor nível desde fevereiro de 2007. A soja teve redução de 24% no preço e chegou ao seu menor valor desde julho de 2010. Já o preço do petróleo teve queda de 47%, chegando ao menor valor desde junho de 2009.

— O aumento da quantidade exportada foi mais do que neutralizado pela queda do preço — afirmou Godinho.

Os dados da balança comercial contabilizados nas duas primeiras semanas de agosto pelo Mdic mostram que o preço do petróleo caiu 50,2% em relação ao mesmo mês do ano passado, enquanto o volume exportado do produto subiu 37%. Com isso, a receita da exportação baixou 31,8%%. Em outro exemplo, o preço do etanol caiu 31,3%, mas, neste caso, a redução foi compensada por uma elevação de 86,9% do volume embarcado. Assim, a exportação registrada na balança comercial de álcool aumentou 28,4%.

O grupo petróleo e derivados tem uma característica importante: as exportações caíram com os preços desses produtos, mas as importações também diminuíram, o que, neste caso, favorece o Brasil. Esse comportamento é visto claramente na conta-petróleo. O déficit na balança comercial do setor caiu de US$ 9,937 bilhões no período de janeiro a julho de 2014 para US$ 3,8 bilhões no acumulado dos sete primeiros meses deste ano.

SALDO DE US$ 10 BI PARA 2015

O economista Fábio Silveira, da GO Associados, projeta uma queda nos preços do petróleo de 40% em 2015, de 20% no caso da soja, e algo em torno de 50% nos valores do minério de ferro. Ele prevê uma desvalorização do real em relação ao dólar em torno de 35% este ano, mas destaca que as alterações no câmbio não têm efeito direto nas vendas de produtos básicos, como commodities.

— A desvalorização cambial não tem a propriedade de acentuar a exportação das commodities que, como o próprio nome diz, tem características comuns com produtos de outros países. O importador de soja está comprando do Brasil, mas pode comprar dos Estados Unidos. O preço em dólar será o mesmo. O câmbio ajuda as exportações de manufaturados — afirmou.

fundo de comodietese 2014. Trata-se de um ajuste, porém, apoiado na retração maior das importações. De forma geral, as consultorias esperam um saldo positivo em torno de US$ 10 bilhões para 2015.

O Globo