Raquel Dodge cobra informações sobre barragens com risco de rompimento

Raquel Dodge cobra informações sobre barragens com risco de rompimento

Procuradora-geral disse que famílias vivem atemorizadas pelo risco de rompimento de novas barragens

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, cobrou mais informações sobre outras barragens que estejam sob risco iminente de rompimento. Segundo ela, famílias que vivem em localidades próximas a barragens vivem “atemorizadas”.

“Hoje muitas famílias vivem atemorizadas pelo risco de rompimento de novas barragens. É preciso que haja informações seguras a respeito disso”, disse Dodge a jornalistas após participar de 1 seminário sobre Segurança Pública, no STJ (Superior Tribunal de Justiça), em Brasília.

Nesta 2ª feira (25.fev.2019), o rompimento da barragem da Mina Córrego do Feijão, da Vale, em Brumadinho (MG), completou 1 mês. De acordo com a Defesa Civil, há 179 mortes confirmadas. Centro e trinta e uma pessoas continuam desaparecidas.

Em seu discurso na abertura do evento –no qual estavam presentes o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, e o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro–, Dodge cobrou mais informações.

“Muitos temem por suas vidas, aguardam das autoridades a confirmação sobre o risco de rompimento das barragens”, afirmou.

Na semana passada, a ANM (Agência Nacional de Mineração) publicou uma resolução determinando o fechamento de todas as barragens a montante, como a que se rompeu em Brumadinho. Segundo dados da própria agência, das 84 barragens do tipo, 43 são classificadas como de alto dano potencial.

Também na semana passada, foi registrado o risco de rompimento da barragem de Vargem Grande, também da Vale e que está localizada na cidade de Nova Lima (MG), onde sirenes foram acionadas e a rodovia BR-356 chegou a ser interditada.

No último dia 20, 75 moradores de áreas próximas a 5 barragens construídas pelo método a montante nas cidades mineiras de Ouro Preto e Nova Lima foram retirados da região para a desativação de empreendimentos “a montante”, conforme determinado pela ANM.

(com informações da Agência Brasil)