RC reage à determinação do MPT que impede contratação de cooperativas médicas a partir de 2014 e dispara: “Tem gente que brinca com a saúde” - :: Paraiba Urgente :: Portal de Notícias

RC reage à determinação do MPT que impede contratação de cooperativas médicas a partir de 2014 e dispara: “Tem gente que brinca com a saúde”

Rc e rcO governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB) reagiu com perplexidade à determinação do Ministério Público do Trabalho que impede a contratação de cooperativas médicas a partir do início do ano que vem.

Ontem o programa Fantástico trouxe uma matéria em que destaca supostas irregularidades na contratação desses serviços na Paraíba. Nesta manhã, durante solenidade no Palácio da Redenção, Ricardo Coutinho disse que a grande prejudicada com essa determinação será a população e lamentou a ação na justiça.

A pergunta ao governador foi feita da seguinte maneira: A partir de 2014 as cooperativas médicas vão estar proibidas de atuarem, o Governo do Estado vai contratar ou realizar concurso?

O governador respondeu: “Isso é uma fantasia, tem gente que brinca com isso, essa é a verdade, e, ao brincar com isso, se brinca com a vida de muita gente que hoje estão nos hospitais. Tem gente que acha que é simplesmente uma ação na justiça que resolve as coisas, se fosse assim seria muito fácil”, desabafou o mago ao lembrar que quando prefeito de João Pessoa tentou realizar concurso na área da saúde para preenchimento de vagas de médicos e não conseguiu.

O gestor explica que algumas categorias não tem interesse em realizar concursos. “Quando não interessa não há concurso que dê jeito”, destacou.

Ricardo Coutinho ainda pediu cautela, já que diante desse tipo de ações, os serviços de saúde ficam paralisados e a população acaba sendo prejudicada.

“É preciso ter muito cuidado para ir em busca de uma decisão como essa na justiça, porque se os serviços paralisam quem é que respondem por eles? Será que aquele que propôs a ação vai responder por esse serviço? Será que aquele que propôs a ação vai responder pela vida de uma criança no Arlinda Marques que espera por um médico? Poderia ser o filho de qualquer um aqui e as pessoas agem como se fosse a luta do bem contra o mal e não tem luta de bem contra o mal não”, relatou.

O chefe do executivo lembra que as cooperativas médicas existem há muito tempo e elas recebem pelo serviço prestado. “Se tem um problema de superação nós vamos supera-lo, com bom senso e com equilíbrio e não fazendo da vida uma batalha constante, isso não constrói absolutamente nada”, finalizou.

Com informações de Henrique Lima

PB Agora .