João Pessoa 12/12/2018

Início » Mundo » Recuo do governo não acalma “coletes amarelos”, que preparam quarto sábado de protestos

Recuo do governo não acalma “coletes amarelos”, que preparam quarto sábado de protestos

Para os “coletes amarelos”, os anúncios feitos primeiro-ministro francês, Édouard Philippe, na terça-feira (4), “não passam de migalhas”. O movimento não foi convencido pelo recuo do governo sobre a suspensão durante seis meses dos impostos sobre os combustíveis e preparam uma nova mobilização prevista para o próximo sábado (8).

Para Frederique, militante dos “coletes amarelos” da cidade de Gaillon, no norte da França, as propostas de Philippe “não passam de migalhas”. “Se daqui a seis meses os preços voltarem a aumentar, do que adianta?”, diz a manifestante em um bloqueio realizado em uma rotatória da cidade para denunciar “um falso anúncio” da parte do governo.

O premiê anunciou na terça-feira uma série de medidas para tentar acalmar o movimento, que inicialmente contestava o aumento do imposto ecológico sobre combustíveis poluentes: € 0,065 (R$ 0,28) sobre o litro do diesel e de € 0,029 (R$ 0,12) sobre o litro da gasolina. O acréscimo entraria em vigor a partir de 1° de janeiro de 2019.

Além do aumento do imposto sobre os combustíveis, a convergência da taxação do diesel ao da gasolina e o aumento do preço do diesel para os profissionais, também foram suspensos durante seis meses na terça-feira. Os valores do gás e da eletricidade não aumentarão durante o inverno e a concessão de um “bônus mobilidade” à população será avaliado, segundo Philippe, que declarou que está pronto a debater sobre todas as insatisfações e a revolta com os franceses.

Enquanto isso, o movimento continua crescendo e as reivindicações aumentam. Os coletes amarelos passaram a pedir também uma revisão geral da tributação na França, uma distribuição mais justa das riquezas, o restabelecimento do Imposto Sobre a Fortuna (ISF) – suprimido em 2017 por Macron -, e a realização de referendos sobre as principais questões envolvendo o país, entre outras exigências.

Segurança reforçada na capital francesa

Após o pronunciamento do primeiro-ministro, os “coletes amarelos” decidiram manter a convocação para uma nova manifestação no próximo sábado. Temendo mais violências e vandalismo, o governo anunciou o reforço do dispositivo de segurança em toda a França, mas principalmente em Paris.

Na classe política, as reações se dividem. O ministro francês do Interior, Christophe Castaner, e o ministro da Transição Ecológica, François de Rugy, pedem aos manifestantes que cancelem os protestos. Do lado da oposição, o presidente do partido Os Republicanos, Laurent Wauquiez, fez um apelo para que o governo instaure o estado de emergência no país.

Já a prefeita de Paris, a socialista Anne Hidalgo, declarou que condena as violências, mas acredita que é incorreto proibir os protestos, como as autoridades vêm fazendo em determinadas áreas da capital francesa, sem que a medida seja levada a sério pelos militantes. “Paris pertence a todos os franceses e é direito deles manifestarem em nossa cidade para questionarem o governo. O ministro do Interior deve colocar em prática seus dispositivos de segurança”, afirmou nesta quarta-feira (5).

Assembleia e Senado debatem plano de Philippe

O plano apresentado pelo primeiro-ministro será debatido nesta quarta-feira na Assembleia. Philippe fará uma declaração nesta tarde diante dos deputados sobre a tributação ecológica e as consequências dessas medidas ao poder aquisitivo da população. Na quinta-feira (6) é a vez do Senado discutir as propostas do premiê para a crise.

Para a imprensa francesa, o recuo do governo chegou tarde demais. A demora do executivo para responder à revolta levou o movimento a receber adesões de outros setores também insatisfeitos como os “coletes laranja”, como são chamados os trabalhadores da construção civil, agricultores e estudantes do Ensino Médio.

Segundo o governo, não há previsão que o presidente francês, Emmanuel Macron, se pronuncie publicamente sobre a questão. O chefe de Estado foi vaiado na noite de terça-feira por “coletes amarelos” de Puy-en-Velay, cuja prefeitura foi incendiada por militantes no último sábado.

Macron também afirmou que não pretende comentar o sarcástico tuíte do presidente americano, Donald Trump. O republicano voltou a criticar o Acordo de Paris sobre o Clima na terça-feira. “Fico feliz que meu amigo @EmmanuelMacron e os manifestantes concordem com a conclusão à qual cheguei há dois anos. O Acordo de Paris é fatalmente errôneo porque aumenta o preço da energia nos países com responsabilidade enquanto encobre os que mais poluem”, tuitou.

Noticiário Internacional