Reforma política: ex-senador apoia diminuição da idade para cargos majoritários e ‘distritão’

O presidente do PTB na Paraíba, Wilson Santiago, está acompanhando de perto a discussão da reforma política que voltou a tramitar pelo Congresso Nacional. O ex-senador garantiu que o objetivo do PTB “é buscar o apoio para a aprovar a reforma política nas teses defendidas pelo partido”.

Entre elas: voto majoritário para eleição proporcional (distritão) – os eleitos são mais votados; proibição do financiamento empresarial; defesa do financiamento individual, ou seja, pessoa física poderia aumentar o percentual da doação em até 50% do que ganha ( hoje só pode 20%); redução do idade mínima para 29 anos de governador, vice, senador; contra o voto de lista fechada.

Nesta semana, a comissão especial que analisa a reforma política aprovou o primeiro dos três relatórios parciais com alterações na legislação eleitoral. O texto aprovado muda as regras que tratam dos mecanismos de democracia direta, como plebiscito, referendo e projetos de lei de iniciativa popular.
O relator da reforma, Vicente Cândido (PT-SP), tem defendido, ao lado do financiamento público, a adoção da lista fechada, mesmo que temporariamente, como forma de diminuir os custos de campanha e facilitar a fiscalização dos recursos do fundo partidário. “Como você vota numa lista sem saber quem são os candidatos? “, questionou o dirigente paraibano.
“Eu sou particularmente contra o financiamento público de campanha porque incentiva o caixa dois”, avalia, acrescentando que o partido ainda nem se posicionou. Apesar de gerar muita discussão ainda, a intenção é que as alterações sejam aplicadas nas próximas eleições. Para isso, a matéria precisa ser aprovada pela Câmara e pelo Senado e sancionada pelo presidente da República até o final de setembro deste ano.