Reformas 'Trabalhista e da Previdência' só serão votadas após as eleições

Reformas ‘Trabalhista e da Previdência’ só serão votadas após as eleições

plenario camaraAs reformas Trabalhista e da Previdência, consideradas prioritárias pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, só serão discutidas no Congresso após as eleições municipais deste ano, cujo segundo turno está marcado para 30 de outubro. Durante o pleito, o ritmo de sessões na Câmara cai à metade. Além disso,  cerca de 15% dos deputados federais devem concorrer a uma vaga de prefeito ou vereador. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Dificultando ainda mais as votações, a Câmara discutirá a cassação do mandato do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

O governo considera uma importante vitória a votação da PEC que limita os gastos públicos. As reformas seriam um “sonho”.

“Historicamente, a Câmara fica mobilizada no período eleitoral”, explica o primeiro-secretário da Câmara, Beto Mansur (PRB-SP).

Desde que assumiu o governo em maio deste ano, o governo Temer teve 85% de apoio nas votações. Dilma teve 66% até ser afastada.

Diário do Poder