Reunião do G7 começa neste sábado com Amazônia na pauta

Incêndios na Amazônia despertaram reações de líderes internacionaisDivulgação/Corpo de Bombeiros de Rondônia –

Líderes de 7 das maiores economias do mundo reúnem-se a partir deste sábado (24.ago.2019) em Biarritz, na França, para a cúpula do G7 –grupo que congrega Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido.

Anfitrião do evento, o presidente francês, Emmanuel Macron, convocou, na 5ª feira (22.ago), os demais participantes do encontro a discutirem os recentes incêndios na Amazônia. Para ele, as queimadas são uma “crise internacional”.

O presidente Jair Bolsonaro criticou o francês dizendo lamentar que ele “busque instrumentalizar uma questão interna do Brasil e de outros países amazônicos para ganhos políticos pessoais”“A sugestão do presidente francês, de que assuntos amazônicos sejam discutidos no G7 sem a participação dos países da região, evoca mentalidade colonialista descabida no século XXI”, disse.

No dia seguinte, líderes europeus ameaçaram deixar o acordo firmado entre a União Europeia e o Mercosul. Em comunicado oficial, Macron acusou Bolsonaro de mentir durante reunião do G20, em Osaka, no Japão, no fim de junho.

“As decisões e propostas apresentadas pelo Brasil nas últimas semanas demonstram que o presidente Bolsonaro resolveu não respeitar os compromissos climáticos e não assumir nenhum compromisso com relação à biodiversidade”, diz a nota do Palácio do Eliseu.

Bolsonaro já havia sido cobrado pelos europeus sobre questões ambientais no referido encontro. Segundo o presidente, Macron queria que o Brasil anunciasse decisões sobre o tema ao fim da cúpula: “Dei-lhe um não”, disse Bolsonaro na semana seguinte.

“Convidei, inclusive, ele [Macron] e Angela Merkel a sobrevoar a Amazônia e que, se encontrassem em 1 espaço entre Boavista e Manaus 1km² de desmatamento, eu concordaria com eles. Agora eu mesmo, como sobrevoei a Europa 2 vezes, também lhes disse que não encontrei 1km² de floresta naquela região. Então, eles não têm autoridade para discutir essa questão conosco. Mudou a relação do Brasil se portar perante o mundo”, afirmou Bolsonaro, em julho, a deputados da bancada ruralista do Congresso.

A chanceler alemã é outra que também foi atacada pelo presidente brasileiro. Depois de a Alemanha suspender o financiamento de projetos para a proteção da Amazônia, Bolsonaro afirmou que Merkel deveria “pegar a grana e reflorestar”seu próprio país. Na mesma semana, a Noruega suspendeu o repasse de verbas ao Fundo Amazônia e também foi criticada pelo líder brasileiro.

Apesar das cobranças por políticas ambientais e das falas de Bolsonaro, a Alemanha já sinalizou ser contrária à ideia de deixar o acordo com o Mercosul. O porta-voz do governo alemão disse na 6ª feira (23.ago) que a “não ratificação do acordo não contribuirá para reduzir o desmatamento da Amazônia”. Em pronunciamento em rede nacional também na 6ª, o presidente brasileiro corroborou esse discurso dizendo que incêndios florestais não podem “ser pretexto para possíveis sanções internacionais”.

Além do desejo da Alemanha de não deixar o acordo comercial, o governo brasileiro aposta em 1 importante parceiro para evitar que o G7 discuta sanções ao país por conta dos incêndios: o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Na 6ª feira (23.ago), o norte-americano conversou com Bolsonaro, se colocou à disposição para ajudar com as queimadas e disse que a relação entre os 2 países está “mais forte do que nunca”.

Poder360