Rodrigo Maia vê risco de plenário da Câmara aceitar denúncia contra Temer

Presidente Michel Temer, Dep. Rodrigo Maia e o ministro Fernando Coelho Filho, durante a cerimonia de lançamanto do programa de revitalização da industria mineral brasileira. Foto: Sérgio Lima/PODER 360

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tem dito a interlocutores que há risco de o plenário da Casa aceitar a 2ª denúncia contra o presidente Michel Temer.

Maia acha que o Planalto terá êxito na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), que analisa parecer pela suspensão do processo. Depois, o deputado acredita que haverá degradação do ambiente político.

“PLANALTO NÃO CUMPRE ACORDOS”

Quem ouve as análises de conjuntura de Maia relata ao Poder360 que o presidente da Câmara cita 1 grande descontentamento de deputados com Temer.

A narrativa é a de que o Planalto não cumpriu muitas promessas feitas durante a votação da 1ª denúncia. O presidente da Câmara informa que há deputados que o procuram falando desta forma: “Votei para salvar o Temer porque você me pediu. Agora, não sei se vai dar”. Maia, então, fica em silêncio.

Há muita reclamação, segundo Maia, a respeito da atuação da trinca de ministros palacianos: Eliseu Padilha (Casa Civil), Moreira Franco (Secretaria Geral) e Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo).

PRÓXIMO GOVERNO

Se a 2ª denúncia for admitida pela Câmara e o STF (Supremo Tribunal Federal) abrir o processo, Michel Temer é afastado por até 6 meses. Rodrigo Maia assumiria o Planalto. Numa hipótese de afastamento definitivo de Temer, haveria uma eleição indireta de 1 novo presidente para concluir o mandato que vai até 31 de dezembro de 2018. Maia seria candidato.

É pensando nessa eventual hipótese que o presidente da Câmara tem se movimentado para falar com cardeais da República.

O ex-presidente José Sarney está na lista para analisar como seria o “day after” de eventual queda de Temer.

Em público, Maia sempre tem negado estar trabalhando a favor da queda de Temer. Mas tem deixado claro que não vai trabalhar a favor de votos pró-Planalto, como fez durante a votação da 1ª denúncia.

MOREIRA E PADILHA

A quem pergunta, Rodrigo Maia informa que mudará todo o Palácio do Planalto. Moreira Franco (Secretaria Geral) ficaria no governo, mas longe da Presidência da República. Eliseu Padilha (Casa Civil) estaria 100% fora num eventual novo governo.

MAL-ESTAR ENTRE TEMER E PLANALTO

O Planalto vive mal-estar com o presidente da Câmara em 1 momento delicado. A CCJ analisa parecer pela suspensão de denúncia contra Temer e os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco.

Divulgação de vídeos de delação de Lúcio Funaro acentuou a intriga entre os Poderes.

Maia disse ter ficado “perplexo” com declaração do defensor do presidente sobre os vídeos. Antes de saber que as mídias estavam no site da Câmara, Eduardo Carnelós havia tratado como “criminoso vazamento”.

Na semana passada houve outro atrito entre Temer e Maia. Governistas não compareceram para votar a medida provisória que dá ao Banco Central e à CVM o poder de fechar acordos de leniência com o setor financeiro.

O presidente da Câmara também disse que o STF havia liberado a divulgação dos vídeos. O ministro relator do caso, Edson Fachin, nega.

Na 2ª feira (16.out), o presidente enviou carta a congressistas afirmando que há uma conspiração para o derrubar do Planalto. No texto, ele não cita Rodrigo Maia.

Informações deste post foram publicadas antes pelo Drive, com exclusividade. A newsletter é produzida para assinantes pela equipe de jornalistas do Poder360. Conheça mais o Drive aqui e saiba como receber com antecedência todas as principais informações do poder e da política.

Poder 360