João Pessoa 24/05/2019

Início » Mundo » Samsung dobra a tela e o preço de smartphone

Samsung dobra a tela e o preço de smartphone

Galaxy Fold pode ser dobrado ao meio e guardado no bolso, ficando com o tamanho de um aparelho convencional, porém ainda muito grosso

Um smartphone cuja tela pode ser dobrada ao meio e guardada no bolso, como um livro: essa é a visão da Samsung para o futuro dos celulares. Nesta quarta-feira, 20, em São Francisco (EUA), a empresa pôs fim a anos de rumores e mostrou seu primeiro dispositivo de tela dobrável, o Galaxy Fold. Com previsão de chegar às lojas dos EUA em 26 de abril por US$ 1.980 (o equivalente a cerca de R$ 7,4 mil), a novidade foi a estrela da conferência realizada pela sul-coreana, que também marcou a décima geração da linha Galaxy e o lançamento de outros quatro celulares, com preços entre US$ 749 e US$ 999.

Fechado, o Galaxy Fold tem tela de 4,6 polegadas (quase o tamanho do iPhone 6); aberto, pode chegar a 7,3 polegadas (semelhante à tela do iPad mini). É algo útil para assistir a vídeos e operar apps simultaneamente, aumentando a produtividade do usuário – em São Francisco, foi possível ver o aparelho rodando YouTube, Google e WhatsApp ao mesmo tempo. “Não é só um produto que redefine a categoria de smartphones. Desafia esse conceito”, disse Justin Denison, vice-presidente de marketing da Samsung.

O Galaxy Fold não é o primeiro smartphone de tela dobrável – o título é do FlexPai, da Royole, lançado no fim de 2018 e disponível só na China. O Fold, porém, será o pioneiro em escala global: já há lançamento agendado nos EUA e na Europa – não há previsão para o Brasil. Além da tela, o aparelho traz outras especificações robustas, como duas baterias internas e seis lentes de câmeras.

Para especialistas, o aparelho pode abrir uma nova fase para a indústria, após a primeira queda nas vendas de smartphones acontecer em 2018, segundo a consultoria IDC. “A tela dobrável é uma tecnologia que a indústria inteira buscava, mas ainda não havia conseguido viabilizar”, diz Renato Franzin, professor da USP. “Se a Samsung entregar o que prometeu, a tela permitirá novas formas de uso.”

em