João Pessoa 10/12/2018

Início » Cidades » Segurança negro é morto pela polícia após conter tiroteio em bar

Segurança negro é morto pela polícia após conter tiroteio em bar

Jemel Roberson foi assassinado pela polícia enquanto imobilizava atirador em bar – Reprodução/ TV CBS

Estados Unidos – Um segurança armado tentou conter um tiroteio em um bar e acabou morto pela polícia em Chicago, nos Estados Unidos. Jemel Roberson, de 26 anos, foi declarado morto pouco depois de ser levado para um hospital após o tiroteio. As informações são do jornal Washington Post.

A ocorrência foi no Manny’s Blue Room Bar, em Robbins, Illinois, nos arredores de Chicago, na madrugada de domingo.

Segundo a testemunha Adam Harris, quando a polícia chegou ao bar, Roberson estava imobilizando um suspeito armado no chão.

“Todo mundo gritava: ‘Ele é segurança’, e eles basicamente viram um homem negro com uma arma e o mataram”, disse Harris à TV local WGN.

Os amigos de Roberson disseram que ele sonhava em se tornar policial.

Os detalhes sobre o tiroteio em Illinois ainda não estavam claros na segunda-feira. O chefe da polícia de Midlothian, Daniel Delaney, disse em um comunicado que os policiais de seu departamento e o Departamento de Polícia de Robbins encontraram várias vítimas dentro do bar, ao responder ao chamado por tiroteio.

“O oficial de Midlothian encontrou um alvo com uma arma e atirou nele”, diz a declaração oficial.

Delaney não descreveu o que ocorreu antes da chegada da polícia.

Pelo menos outras quatro pessoas foram baleadas e feridas durante o incidente, incluindo um homem que a polícia acredita ter atirado antes da chegada da polícia, segundo a porta-voz do xerife do condado de Cook, Sophia Ansari.

Segundo o jornal Chicago Tribune, houve um confronto envolvendo vários homens. Um deles teria saído para buscar uma arma e abriu fogo ao retornar, atingindo várias pessoas.

Roberson reagiu ao ataque e apreendeu o suspeito, ainda segundo o jornal Chicago Tribune. Em seguida, os policiais chegaram.

Não está claro como o assassinato se desenrolou no bar – como os policiais se identificaram, se Roberson estava segurando a arma e quanto tempo se passou antes do agente atirar no segurança.

O incidente pode reforçar o debate sobre como locais como escolas, boates e templos religiosos devem se defender de criminosos.

A morte do segurança provocou preocupações de que homens negros, mesmo quando portam legalmente armas de fogo ou trabalham em uma posição que permita seu uso, podem ser alvo de fogo policial.

Jemel Roberson: morto pela polícia ao conter tiroteio – Reprodução/ TV WGN

Roberson é uma das pelo menos 840 pessoas que foram mortas pela polícia em 2018 e uma de pelo menos 19 em Illinois, de acordo com levantamento do jornal Washington Post.

Filho mais velho entre quatro irmãos, Roberson cursava Direito e era um exemplo para seus pares, inspirando os jovens a se envolverem com a igreja, de acordo com sua família.

O Reverendo Marvin Hunter disse à agência de notícias Associated Press que Roberson tocou órgão em sua igreja e em outras de sua área. Ele se referiu ao segurança como um jovem “honesto” que trabalhava para recuperar a custódia de seu filho e juntar dinheiro para mudar de apartamento.

Hunter é tio-avô de Laquan McDonald, um adolescente negro que foi baleado e morto por um policial branco de Chicago em 2014.

Os amigos e a família de Roberson dizem planejar uma homenagem. De acordo com matéria do Washington Post, a mãe de Roberson, Beatrice, entrou com uma ação pedindo US$ 1 milhão da administração pública e do policial que atirou em seu filho.

O Dia