Sem dificuldades, Boca vence Athletico novamente e avança na Libertadores

Sem dificuldades, Boca vence Athletico novamente e avança na Libertadores

A missão não era fácil e acabou não cumprida. Após perder em casa, por 1 a 0, o Furacão foi à Argentina buscar uma virada contra o Boca Juniors, na Bombonera. Tudo não passou da teoria. Quando a bola rolou, o time argentino foi superior durante os 90 minutos e, com gols de Ábila, ex-jogador do Cruzeiro, e Salvio, venceu, por 2 a 0.

Com o resultado em Buenos Aires, os Xeneize aplicam 3 a 0 no agregado e garantem vaga nas quartas de final da competição continental e irão encarar os equatorianos da LDU, que eliminaram o Olimpia, do Paraguai.  Pressão argentina, mas nada de gols Como de costume nos jogos na Bombonera, o Boca Juniors começou a partida pressionando o Athletico Paranaense.

Ainda assim, a primeira finalização do duelo foi brasileira. Nikão recebeu pelo meio e arriscou de longe, mas a bola subiu demais. A resposta dos Xeneize não demorou a surgir. Aos 12, Zárate fez boa jogada pela esquerda, cruzou na área e encontrou Capaldo, que não pegou bem na bola, mas mandou na direção de Santos, que desviou para cima. Pouco depois,

Márcio Azevedo evitou o que seria o primeiro gol do Boca na partida. Na chegada argentina ao ataque, Nández recebeu dentro da área e sem o goleiro Santos, que havia saído para tentar a cobertura, mandou na direção do gol. Aí apareceu a figura do lateral esquerdo athtleticano, que se colocou na frente da pelota e salvou o Furacão.

A pressão argentina se manteve nos minutos finais. Aos 35, Capaldo quase marcou de cabeça, após cobrança de escanteio. Santos fez grande defesa e, na sobra, Léo Pereira quase fez contra, mas Pedro Henrique apareceu para cortar em cima da linha. Encurralado, o time brasileiro se defendeu como pôde.

Os donos da casa acumularam oportunidades para marcar no fim da primeira etapa. MacAllister, Ábila e Nández criaram chances, mas desperdiçaram. Boca insiste e vence O panorama não mudou com a volta do segundo tempo. O time mandante seguiu soberano no controle da partida, enquanto o Athletico, perdido em campo, errava muitos passes e dava espaços para o time argentino. Não teve jeito. Aos 11, após chutão do goleiro Andrada, a bola passou por todo mundo, mas não por Ábila.

O centroavante, ex-Cruzeiro, dominou, entrou na área e bateu forte, sem chances para Santos. Boca na frente. O time paranaense tentou a resposta instantes depois. Bruno Guimarães iniciou jogada pelo meio e passou para Marco Rubén, que bateu colocado, mas parou em grande defesa de Andrada, que mandou para escanteio. Mas parou por aí.

O time comandado por Tiago Nunes não estava nos melhores dias. O Rubro-Negro não encontrou forças para agredir o adversário, que seguiu criando lances de perigo. Ábila voltou a aparecer na entrada da área, passou por Wellington e deixou Zárate na boa para marcar, mas o atacante finalizou fraco.

Nos instantes finais do jogo, o ritmo caiu e o time brasileiro demonstrou conformismo com o resultado. Ainda deu tempo de Salvio receber passe pela esquerda, passar por Vitinho e dar números finais à partida: 2 a 0.

O Gol