Sem reforma, deficit em Estados deve aumentar 300% até 2060

Sem reforma, deficit em Estados deve aumentar 300% até 2060

O relator da reforma, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), afirma que técnicos estão trabalhando em alternativas que contemplem os Estados, mas que todas as mudanças dependem do apoio de lideranças e dos demais congressistas Pablo Valadares/Câmara dos Deputado

O deficit dos Estados, atualmente próximo de R$ 700 bilhões, deve quadruplicar até o ano de 2060 sem a reforma da Previdência. A estimativa, feita pela IFI (Instituição Fiscal Independente) do Senado, foi  publicada em reportagem do jornal O Estado de S. Paulo nesta 2ª feira (3.jun.2019).

O aumento representa 1 crescimento de 300% em relação ao ano de 2013. Leva em conta as pensões e aposentadorias, atuais e futuras, de servidores públicos.

De acordo com o relatório, se os governadores optassem hoje por cobrar todas as contribuições previdenciárias futuras para pagar os benefícios que ainda serão concedidos, faltariam R$ 5,2 trilhões. O deficit equivale a quase toda a renda produzida pelo Brasil em 1 ano.

Josué Pelligrini, analista da IFI e responsável pelo estudo, defende que o projeto de reforma contemple os Estados, sem adiar a decisão. “Interessante é que se resolva o mais rapidamente possível, dado o desequilíbrio que vai aumentar ao longo do tempo”, afirmou ao jornal.

O relator da reforma, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), disse que técnicos trabalham em uma alternativa para que o texto também valha para os governos regionais. Mas afirma que possíveis mudanças dependem do apoio da Câmara. O congressista deve receber governadores nesta 2ª feira (3.jun) para discutir o tema.

Há movimentação na Câmara para que os Estados fiquem de fora da reforma da Previdência, o que obrigaria os deputados estaduais, possíveis adversários dos atuais deputados federais nas eleições de 2022, a também arcar com o ônus de defender uma reforma impopular.

Poder360