Servidores da saúde de Santa Rita aprovam paralisação reivindicando 1/3 de férias de 2014, 2015 e 2016 em Santa Rita.

Servidores da saúde de Santa Rita aprovam paralisação reivindicando 1/3 de férias de 2014 e 2015 em Santa Rita.

Sinfesa saúdeServidores da secretaria de saúde de Santa Rita em mais uma assembleia nesta quarta-feira (20), pela manhã na sede do sindicato dos servidores municipal (Sinfesa), aprovaram por sua maioria com apenas uma abstenção de um voto mais uma paralisação em advertência de pela categoria por dia  reivindicando 1/3 de férias atrasados referentes aos anos de 2014, 2015 e 2016.

De acordo com agente comunitário de Saúde Márcio Gomes que presta serviço á 18 anos afirmou que a categoria dos que fazem a saúde do município não agüenta mais esperar tanto tempo em que os servidores estão prejudicados pelos quais apelou no sindicato pela paralisação que acontecerá na próxima quarta-feira (27), enfrente a secretaria de saúde durante todo o dia exigindo uma explicação da gestão em relação aos referidos 1/3 de férias vencidos e não pagos pela gestão, caso a administração o não se mobilize em apresentar uma proposta aos servidores a categoria pode deflagrar greve por tempo indeterminado no município, disse.

“O prefeito de Santa Rita só tem olhos para educação e os servidores da saúde numa peleja que não são ouvidos, e se quer, a gestão convidou a categoria para dialogar ou apresentar uma proposta, perdemos a paciência e resolvemos agora nos unirmos com a única arma que possuímos que é a paralisação com indicativo de greve para recebermos o que é de direito. Diante dessa situação que se arrasta a dois anos requerendo da gestão que não nos houve e com proliferação do mosquito da Dengue, Zikavírus, e Chikungunya aonde na oportunidade que vai se prejudicar é a população”, declarou Márcio Gomes.

Conforme ainda o agente comunitário de Saúde Márcio Gomes revelou que a gestão de saúde de Santa Rita vem perdendo recurso por falta de investimentos nos mecanismos de trabalho  para os trabalhadores que interligue a saúde de santa Rita e o Ministério da Saúde nas áreas de atuação nos bairros em tempo real (através de tabletes) que hoje ainda o trabalho realizado pelos agentes são ainda através de papel, frisou.

Lamartine do Vale.