Servidores da saúde recusam duas propostas da prefeitura: paralisam até terça com indicativo de greve

sinfesa doisOs servidores da saúde do município de Santa Rita em assembleia  rejeitaram em uma semana duas propostas do executivo municipal, em relação ao Plano de Cargos Carreira e Remuneração – PCCR, para tanto, continuam paralisados  até terça-feira 01 de outubro, para avaliar a terceira proposta às  14hs, com a categoria e decidir definitivamente se voltam ao trabalho ou deflagram greve por tempo indeterminado.

O prefeito Reginaldo Pereira apresentou a primeira proposta de última hora em que na oportunidade os servidores realizavam assembleia no sindicato, após ato público na cidade e sessão especial na Câmara Municipal de Santa Rita, no mesmo dia, das quais, foi rejeitada a unanimidade pela categoria propondo redução dos salários na implantação do PCCR e cortes na implantação dos níveis fundamental e superior.

A segunda proposta  foi enviada na sexta-feira (26), após sessão especial  em que culminou um debate com os vereadores pelo qual apresentou mais uma proposta destacando que a prefeitura só poderia honrar os valores financeiros ( pagamentos) em janeiro de 2014, sendo que, o reajuste de proposta salarial contempla os servidores de quatro em quatro anos com 10% sobre salário base para nível fundamental que recebem nos contra cheques R$ 680,00 e superior R$ 982,00. Quanto a mudança de nível de majoração vertical oferecida pelo gestor em especialização é 10%, mestrado 20% e doutorado 30%, querendo desestruturar o plano de cargos em luta a mais de quase 20 anos, afirmou José Farias.

Conforme o sindicalista José Farias o que levou a categoria rejeitar todas as propostas  foi a falta de sensibilidade e postura por parte do gestor Reginaldo Pereira e o secretário de saúde Luciano Carvalho  insistem ainda em desestabilizar o movimento e a categoria com  salários baixos com redução nos contra cheques, a exemplo de um médico que passou sete (7) anos em uma faculdade tendo como base 1 mil reais de salário como vencimento básico que quase concorre com o nível básico de apenas uma diferença de 5%, “ isso é salário é de ninguém”, Esbravejou o sindicalista José Farias.

De acordo com a médica dentista Raquiel Adriano que presta serviço no município disse que está com salário defasado disse de R$ 3 mil para 1,4 mil, que a proposta oferecida pelo prefeito é uma falta de respeito pra com os servidores em relação há vários municípios menores que Santa Rita e possuem seu PCCR, e essa oferta da prefeitura para 2014 é impossível ser cumprida pelo gestor, haja vista, o prefeito criou mais 500 cargos comissionados e locação de veículos, além de remanejar mais de 12 milhões da saúde para outras secretarias que Ra pra ter acontecido o contrário. “Estamos unidos o movimento é crescente, ganha força e a direção do sindicato nos representam muito bem nessas negociações, vamos esperar pela proposta criada no Sinfesa e não da prefeitura”, avaliou a dentista Raquiel.

O presidente do sindicato José Farias na assembleia com os servidores em saúde decidiram continuar  com a paralisação de uma terceira proposta até a terça-feira 01 de outubro, às 14hs, para avaliar com os servidores se aceita a proposta da prefeitura que contemplar a categoria ou opina pelo movimento grevista. José Farias disse ao secretário Luciano Carvalho que a proposta do sindicato a prefeitura em nome da categoria não onera os cofres da prefeitura em relação aos cargos comissionados criados pelo prefeito Reginaldo Pereira em mais de 1,5 milhões.

Lamartine do Vale, do Paraíba Urgente.