Servidores da PMSR decidem nova assembleia em setembro e esperam cronograma de propostas da categoria - :: Paraiba Urgente :: Portal de Notícias

Servidores da PMSR decidem nova assembleia em setembro e esperam cronograma de propostas da categoria

sinfesaEm mais uma assembleia realizada nesta última sexta-feira (02), com os servidores de todos os setores da prefeitura municipal de Santa Rita, apara avaliar as propostas encaminhadas desde o início de janeiro do corrente ano, o gestor  Reginaldo Pereira, vem descumprindo com a categoria os compromissos assumidos em uma mesa de negociação com a direção do sindicato dos servidores públicos municipal  de Santa Rita.
Na assembleia, a direção do Sinfesa iniciou com os informes a categoria e após os  encaminhamentos com os servidores para discutir as propostas como falta de pagamento de 1/3 de férias referente 2013, da categoria de apoio e magistério, implantação da GEAD, pelo descumprimento dos 30 % pela gratificação de nível superior aos professores (P1) superior mesmo o PCCR, já garantiu igualdade, mudança de nível (Implementação), 30 horas para os professores com duas matriculas, mudança de nível, periculosidade e adicional noturno alem difícil acesso aos professores da zona rural concedido em lei e a gestão se recusa cumprir além de outras que surgiram no debate, Abordou José Farias.
A categoria avaliou também a paralisação local no dia 11 de julho e no dia 12 a paralisação nacional em que o secretário educação Neroaldo Pontes ordenou corte de ponto dos servidores que participaram da paralisação e protesto que resultou no município a segunda mobilização em advertência  até frente da prefeitura que se estendeu até a secretaria de saúde no município, as denúncias de maus tratos e perseguição por parte da gestão a pagamentos em folha a um servidor e outros não, e a apropriação de salários de servidores sem constar nenhuma falta com seu pagamento retido, dos quais foram acatados pela direção do sindicato que se comprometeu a levar até a justiça como apropriação em débito, denunciaram os servidores na assembleia.
Os servidores na assembleia decidiram e concordaram  por unanimidade o pedido da volta do pagamento de 1/3 férias que seja pago em janeiro com as outras gestões, que seja criado uma lei que equipare os professores P1 aos professores P2, com aumento do retroativo se estendendo até a categoria de apoio  em janeiro, além dos servidores que possuem duas matriculas que tem dobra de carga horária e conceder as gratificações de diretores de escolas que desde o início da gestão não recebe. Os servidores na assembleia decidiram também esperar as respostas dos ofícios enviados a secretaria de educação e analisar se foram atendidas as reivindicações que várias das mesmas, constam em lei e a gestão é omissa ao cumprimento desses direitos, que serão avaliados na próxima assembleia no dia 03 de setembro.
Jael Morais que é concursado e que presta serviço de segurança a doze (12) anos propôs na assembleia mudar a portaria de vigia para vigilante para que a guarda municipal saia do papel e transforme do setor de vigilância, haja vista não vamos mais reivindicar do setor público que consta em lei, daí partindo para a formação da guarda municipal, que não vai criar nenhuma despesa ao para o município, havendo até uma possibilidade dos servidores trabalharem armados, como já existe em diversos Estados da Federação.
O professor Manoel Vieira avaliou a assembleia como positiva, disse que  a gestão tem deixado a desejar quanto ao cumprimento  das reivindicações para com os servidores e vem deixando a categoria insatisfeita porque na hora de cumprir  lei e reduzir salário, no caso de gratificação para quem tem mestrado foi cortado de forma aleatória, que não existe nenhum parecer favorável contra a esse desconto, para tanto, o piso de 1.567,00 R$, para professor de nível médio não vem sendo cumprido e uma séria de coisas  se a prefeitura não resolver a categoria vai se posicionar, porque não dar para a categoria ficar trabalhando e seus direitos subtraídos, “são sete meses que a nova gestão assumiu e não está querendo resolver o que é de direito”, em setembro a categoria vai realizar mais uma assembleia se a prefeitura não atender as propostas a solução é realizar mais uma paralisação para que o gestor se sensibilize e cumpra com a categoria.