Setor de serviços fica estável pelo 2º mês seguido em novembro

Setor de serviços fica estável pelo 2º mês seguido em novembro

Entre as 5 atividades analisadas pelo IBGE, 4 tiveram alta

O volume do setor de serviços permaneceu estável de outubro para novembro de 2018. O segmento passou por uma queda de 0,3% de agosto para setembro e de estabilidade de setembro para outubro.

As informações são da Pesquisa Mensal de Serviços, divulgada nesta 4ª feira (16.jan.2019) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo, afirmou que o setor não costuma ser muito volátil. No entanto, a a greve dos caminhoneiros, que ocorreu em maio de 2018, desestabilizou os índices.

“Agora, o setor está 0,2% acima de abril, o período pré-greve [dos caminhoneiros], e 0,3% abaixo de dezembro de 2017. Ou seja, com todo o distúrbio da greve, é como se essa parte da economia não tivesse se movimentado em relação ao fim do ano passado”, disse.

Reprodução IBGE

Entre as 5 atividades analisadas pelo IBGE, 4 tiveram alta na passagem de outubro para novembro, são elas:

  • serviços prestados às família (0,4%);
  • serviços de informação e comunicação (0,8%);
  • serviços profissionais, administrativos e complementares (0,1%);
  • transportes, serviços auxiliares de transportes e correio (0,3%).

Apenas o grupo “outros serviços” terminou novembro com variação negativa em relação a outubro (-0,2%).

O maior impacto positivo veio da área de serviços de informação que acumulam 1,4% nos últimos 3 meses. Em seguida vem o setor de transportes, com variação de 0,3%. No entanto, esse setor ainda não recuperou a perda acumulada dos últimos 2 meses, de 0.9%.

No entanto, regionalmente, a maioria dos Estados terminou novembro com 1 desempenho menor do que foi percebido em outubro. Dos 27 Estados, 20 tiveram queda, mas foram compensados, em grande parte, por São Paulo.

Na comparação com o mesmo mês em 2017, novembro de 2018 apresentou 1 crescimento de 0,9%, mas o setor apresentou leve queda, de 0,1%, no acumulado do ano.

Os dados também demonstraram estabilidade no acumulado nos últimos 12 meses, encerrando uma sequência de 41 meses de taxas negativas nesses indicador.

A receita nominal cresceu 0,5% de outubro para novembro; 3,8% na comparação com novembro de 2017; 2,6% no acumulado do ano e 2,8% no acumulado de 12 meses.

(com informações da Agência Brasil)