‘Só temos a comemorar’, diz Blairo sobre regras para fiscalizar trabalho escravo

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, disse nesta terça-feira (17) em entrevista à GloboNews que não considera um “retrocesso” as novas regras para fiscalização de trabalho escravo e afirmou que só tem a “comemorar” a portaria.

Mais cedo, nesta terça, Blairo Maggi já havia dito que “ninguém” quer ou deve ser favorável ao trabalho escravo, mas “não é justo” alguém ser penalizado por “questões ideológicas ou porque o fiscal está de mau humor.”

“Para mim não é um retrocesso. Para mim é uma afirmação de como as coisas devem acontecer daqui para frente. […] Eu nunca defendi e jamais defenderei trabalho escravo. Todos aqueles que cometerem ilícitos, que cometerem coisas fora do normal e que criam uma condição de trabalho escravo devem ser responsabilizados no mais da lei. Mas também não podemos viver na incerteza que nós vivíamos. É uma reclamação muito grande, muito antiga do setor produtivo e que o presidente, mais o ministro Ronaldo, resolveram esse assunto. Portanto, por parte da agricultura, não vemos retrocesso  pelo contrário, é uma tranquilidade para que todos possam trabalhar e que a lei seja efetivamente cumprida”, disse o ministro.

A decisão de publicar a portaria com as novas regras foi tomada pelo presidente Michel Temer, que atendeu a um pleito da bancada ruralista do Congresso.

A portaria recebeu duras críticas por, por exemplo, condicionar a divulgação da “lista suja” a uma decisão do ministro do Trabalho e por exigir a presença policial nas fiscalizações, já que o processo contra quem usa mão de obra análoga à escravidão só terá validade se for acompanhado por um boletim de ocorrência policial.

Questionado sobre se avalia que a decisão de Temer – tomada em meio à análise da segunda denúncia – configura um “toma lá, dá cá” em busca de votos, Blairo Maggi respondeu:

“Neste momento, há um momento político diferente, e o presidente resolveu atender a esse pleito antigo da classe produtora e, obviamente, nós estamos trabalhando num momento de política muito diferente. Temos um momento confuso e, aí, a classe produtora resolveu levar essa reivindicação ao presidente. Ele atendeu, e nós só temos a comemorar”.

Blairo disse, ainda, que deu “apoio pessoal” ao presidente e ao ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira: “Entendo como disse, o setor agrícola e agropecuário que tem carregado o Brasil nas costas nos últimos anos precisava dessa tranquilidade pra poder trabalhar”.

G1