‘SOM AO REDOR’ E ‘FEIO, EU?’ SÃO EXIBIDO HOJE NO CINEPORT, QUE TEM SHOW DO ‘SEU PEREIRA E COLETIVO 401’

curta livreO Festival de Cinema de Países de Língua Portuguesa (Cineport) continua nesta terça-feira, 08, com sua mostra competitiva de curtas e a exibir filmes já agraciados com os prêmios andorinha de longas. “O Som ao Redor”, do pernambucano Kleber Mendonça Filho, ganhador por Melhor Som, será exibido às 19h na Tenda Andorinha. Já o inédito nos cinemas “Feio, Eu?”, de Helena Ignez terá sessão com a atriz Bárbara Vida e a diretora, logo em seguida na mesma sala, às 21h30.

O dia começa mais uma vez com a Sessão Andorinha Criança às 9h, voltada para os alunos das escolas públicas de João Pessoa, com o filme “Uma História de Amor e Fúria”, de Luiz Bolognesi. O filme conta uma história de amor que se desenrola a partir do início da colonização do Brasil por Portugal até um longínquo 2096, entre um herói imortal e Janaína.

 

Atores de Feio Eu?

Abertura da bilheteria – Às 17h começa a programação com mais uma sessão do Prêmio Energisa Estímulo ao Audiovisual Paraibano e a exibição de seis curtas: Amador, de Nathan Cirino; Capela, de Ramon Batista; Monturo Invisível, de Leonardo Gonçalves da Silva; O Matador de Ratos, de Arthur Lins; Terça O Terceiro Velho, de Marcus Vilar e A Cópia, de Rodolpho Cavalcanti de Barros.

Em paralelo, será exibido a sessão de animação Guianima, com filmes portugueses. Antes da sessão haverá palestra com a curadora da mostra, Manuela Silva, e conversa com os realizadores Sávio Leite, David Doutel e Vasco Sá.

Às 19h30 lançamento de livro na livraria da Usina Cultural Energisa, “Rec – Uma Iniciação à Filmagem”, de Matheus Andrade.

Em seguida, na Tenda Andorinha, o filme “Som ao Redor” terá sue sessão ao público com a presença de um dos atores, W.J. Solha. O filme teve ótima recepção da crítica brasileira e estrangeira. A história gira em torno da presença de uma milícia em uma rua de classe média na zona sul do Recife que muda a vida dos moradores do local. Ao mesmo tempo em que alguns comemoram a tranquilidade trazida pela segurança privada, outros passam por momentos de extrema tensão.

 

O Som ao Redor, de Kleber Mendonça Filho

Na sala Vladimir Carvalho, também às 19h, serão exibidos mais curtas da mostra competitiva Andorinha Curta e Média, agora reunindo apenas filmes de animação. Nesta sessão, filmes do Brasil e Portugal deverão ser visto pelos jurados do Festival.

Dois filmes estão previstos para as últimas duas sessões, ambas às 21h30, o inédito “Feio, Eu?”, um filme manifesto que foi realizado a partir de uma oficina de atores pela diretora e atriz Helena Ignez. O outro filme vêm de Cabo Verde, na África, “Rastros”, de César Schofield Cardoso, um documentário que conta as dificuldades em relação ao lixo no arquipélago.

 

Seu Pereira e Coletivo

A noite se encerra com o show do “Seu Pereira e o Coletivo 401”, marcado para às 23h.
Confira abaixo programação:
09h00
Sala Vladimir Carvalho Andorinha Criança
Uma História de Amor e Fúria, de Luiz Bolognesi
O amor entre um herói imortal e Janaína, a mulher por quem é apaixonado há 600 anos. Como pano de fundo do romance, o longa de Luiz Bolognesi ressalta quatro fases da história do Brasil. A colonização, a escravidão, o Regime Militar e o futuro, em 2096, quando haverá guerra pela água.
Duração 75 minutos

17h00
Tenda Andorinha
Sessão Prêmio Energisa Estímulo ao Audiovisual Paraibano

Amador, de Nathan Cirino
Duração 15 min
Capela, de Ramon Batista
Duração 14 min
Monturo Invisível, de Leonardo Gonçalves da Silva
Duração 15 min
O Matador de Ratos, de Arthur Lins
Duração 32 min
O Terceiro Velho, de Marcus Vilar
Duração 15 min
A Cópia, de Rodolpho Cavalcanti de Barros
Duração 07 min

17h00
Sessão Cinema de Animação GUIANIMA
Sala Vladimir Carvalho
Desenhos Animados Portugueses.

Palestra da curadora da mostra Manuela Silva
participação Sávio Leite, David Doutel e Vasco Sá

Os Olhos do Farol, de Pedro Serrazina
Duração 15 minutos
A Única Vez, de Nuno Amorim
Duração 7 minutos
Viagem a Cabo Verde, de José Miguel Ribeiro
Duração 18 minutos
O Sapateiro, de David Doutel e Vasco Sá
Duração 12 minutos
Fado de um Homem Crescido, de Pedro Brito
Duração 8 minutos
Independência do Espírito, de Marta Monteiro
Duração 10 minutos
Vacas, de Isabel Aboím
Duração 10 minutos
A Meio da Noite, de Fernando Saraiva
Duração 17 minutos
Mi Vida In Tu Manos, de Nuno Beato
Duração 9 minutos

19h00
Lançamento de Livros Livraria da Usina Cultural Energisa

19h00
Sessão Troféu Andorinha
Tenda Andorinha
Melhor Som – Catharina Apolônio (edição de som), Ricardo Cutz, Kleber Mendonça (sound designer), Carlos Montenegro (Mixagem), Gera Vieira (Mixagem)
O Som ao Redor, de Kleber Mendonça Filho
A presença de uma milícia em uma rua de classe média na zona sul do Recife muda a vida dos moradores do local. Ao mesmo tempo em que alguns comemoram a tranquilidade trazida pela segurança privada, outros passam por momentos de extrema tensão. Ao mesmo tempo, casada e mãe de duas crianças. Bia (Maeve Jinkings) tenta encontrar um modo de lidar com o barulhento cachorro de seu vizinho.
Duração 131 minutos

19h00
Sessão Andorinhas Curta – Animação
Sala Vladimir Carvalho
Kali, o Pequeno Vampiro, de Regina Pessoa (PT)
Duração 10 minutos
Linear, de Amir Admoni (BR)
Duração 6 minutos
M, de Joana Bartolomeu (PT)
Duração 8 minutos
O Refugiado, de Rui Cardoso (PT)
Duração 13 minutos
Fado do Homem Crescido, de Pedro Brito (PT)
Duração 8 minutos
Macacos me Mordam, de César Maurício e Sávio Leite (BR)
Duração 9 minutos
Canotrofe, de Paulo D`Alva (PT)
Duração 8 minutos
Do Céu e da Terra, de Isabel Aboim Inglez (PT)
Duração 14 minutos
Saturno, de Sávio Leite e Clécius Rodrigues (BR)
Duração 9 minutos
Outro Homem Qualquer, de Luís Soares (PT)
Duração 11 minutos

21h30
Sessão Cinema Contemporâneo Brasil
Tenda Andorinha
Feio, Eu?, de Helena Ignez
Filme manifesto, Feio, Eu? foi realizado a partir de uma oficina para atores. Realizada na Lapa, Rio de Janeiro, no espaço do Cinema Nosso, estendeu- se em locações em Paris e Índia. Multifacetado como um caleidoscópio, o filme foi realizado com diversas mídias de captação de imagens e usa esse signo da variedade como conceito primordial.
Duração 70 minutos

21h30
Sessão Cinema Contemporâneo África Lusófano
Sala Vladimir Carvalho
Rastro, de César Schofield Cardoso
Os resíduos sólidos, vulgo lixo, é das grandes preocupações ambientais em Cabo Verde, ao mesmo nível que a disponibilidade de água e a biodiversi- dade marinha e terrestre.
Duração 80 minutos

23h00
Tenda Música Show
Seu Pereira e Coletivo 401 (PB)
Modernos e arretados.

Curta Livre com assessoria