S&P rebaixa rating do Brasil, de BB para BB-, com perspectiva estável

Presidentre Michel Temer o ministro da Fazenda, Henrique na cerimônia de Sanção da Lei que Regulamenta a Diferenciação de Preços, no Palácio do Planalto. Brasilia, 26-06-2017. Foto: Sérgio Lima/PODER 360

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles

A agência de classificação de risco Standard & Poor’s rebaixou o rating do Brasil de ‘BB’ para ‘BB-‘, e revisou de negativa para estável a perspectiva da nota. Com isso, o país fica 3 degraus abaixo do grau de investimento, quando uma nação, empresa ou banco é considerada segura para investir. A decisão (íntegra) foi anunciada na noite desta 5ª feira (11.jan.2018).

Na avaliação da agência, apesar dos “vários avanços” feitos pelo governo do presidente Michel Temer, o país fez 1 progresso menor do que o esperado em implementar uma legislação capaz de corrigir seus problemas fiscais e evitar o aumento dos níveis de endividamento.

A demora em avançar em medidas de correção fiscal e as incertezas com as eleições presidenciais deste ano demonstram a pouca eficácia da classe política brasileira na formulação de políticas, destaca a agência.

A S&P explica que a perspectiva estável reflete sua visão de que o “perfil externo sólido” brasileiro e a flexibilidade e credibilidade da política monetária e cambial do país ajudam a ancorar a classificação em ‘BB-‘ no próximo ano, equilibrando as fraquezas econômicas e fiscais e a incerteza sobre as eleições presidenciais.

A agência afirmou ainda que alguns fatores podem fazer com que a nota brasileira volte a crescer. Um governo que consiga implementar uma correção fiscal sólida e sustentável com o apoio do Congresso Nacional é 1 deles.

rating também poderá voltar a subir com uma melhora econômica ou com uma indicação de que a dívida líquida atingiu seu pico e deve iniciar uma trajetória de queda.

O rebaixamento era esperado pelo mercado e também pelo governo. Em dezembro, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, conversou com representantes da S&P, da Moody’s e da Fitch Ratings depois de as agências emitirem alertas de risco sobre o rebaixamento. Segundo Meirelles, as conferências serviram para afastar a ideia de que a reforma da Previdência não seria mais votada.

A preocupação das agências é de que, não votando agora, não se vote mais. E, de fato, seria uma preocupação grande. Queremos esclarecer que existe uma possibilidade concreta de votação em fevereiro”, disse o ministro em dezembro, na semana em que a votação foi adiada.

POSIÇÃO DA FAZENDA

Em nota (íntegra), o Ministério da Fazenda afirmou que o governo federal mantém o compromisso com a “consolidação fiscal” e “que deve progredir com a agenda de reformas em debate no Congresso”.

O governo reforça seu compromisso em aprovar medidas como a Reforma da Previdência, tributação de fundos exclusivos, reoneração da folha de pagamentos, adiamento do reajuste dos servidores públicos, entre outras iniciativas que concorrem para garantir o crescimento sustentável da economia brasileira e o equilíbrio fiscal de longo prazo.

Na visão do ministério, há possibilidade de a decisão ser revista, caso reformas e medidas de ajuste sejam aprovadas. “A S&P avalia que há cenários que podem levar a uma eventual reversão da decisão tomada nesta quinta-feira, como a retomada do crescimento em função das medidas macro e microeconômicas já adotadas e aprovação das reformas. Uma elevação da nota, portanto, seria decorrente da aprovação das medidas fiscais propostas”, diz a nota.

Procurado, o Banco Central não quis comentar o caso.

RATING E SEU HISTÓRICO

rating é a nota de risco atribuída a 1 país emissor de dívida de acordo com a avaliação sobre a capacidade e a disposição para que ele honre o serviço de sua dívida integralmente e no prazo determinado. Esse instrumento fornece a potenciais credores opinião independente a respeito do risco de crédito da dívida do país analisado.

Em 2015, a S&P foi a 1ª agência a rebaixar o Brasil. Naquele ano, o país perdeu seu “selo de bom pagador”, conquistado pela 1ª vez em 2008.

Antes do rebaixamento de hoje, o país estava 2 degraus abaixo do chamado “grau de investimento” (país seguro de investir) nas 3 agências: BB na Standard & Poor’s e Fitch e Ba2 na Moody’s.

Poder360