Superior nos 90 minutos, River bate Boca e se aproxima da final

Superior nos 90 minutos, River bate Boca e se aproxima da final

O River Plate deu um grande passo rumo à final da Libertadores. Jogando em casa, a equipe comandada por Marcelo Gallardo bateu o Boca Juniors, seu maior rival, por 2 a 0. Borré, de pênalti, e Fernandéz fizeram os gols da partida.  O jogo de volta acontece no dia 22 deste mês, no estádio La Bombonera. O River pode perder por um gol de diferença.

Resultados como 3 a 1 e 4 a 2, dão a vaga para os Millonarios, pelo critério de gols marcados fora de casa. Novo 2 a 0, leva a decisão para os pênaltis. Ao Boca, para avançar direto, só resta vencer por três ou mais gols de diferença.  VAR ajuda Raphael Claus e River sai na frente Como era esperado, o jogo foi brigado, com muitas faltas e reclamações.

Nos 45 minutos iniciais o River foi melhor. E logo no início, aconteceu o lance que originou o gol dos donos da casa. De la Cruz bateu cruzado e Andrada espalmou para o meio da área. Borré tentou finalizar, mas caiu, a bola ficou com o Boca e o árbitro brasileiro Raphael Claus nada marcou. Porém, ele foi chamado pelo VAR para rever o lance. Após a consulta, assinalou o pênalti.

Na cobrança, Borré bateu no meio e fez 1 a 0. O Boca não conseguia criar e esbarrava na boa marcação adversária. A primeira chegada dos visitantes foi em um chute de Reynoso que subiu demais e não assustou o goleiro Armani. O River Plate saiu jogando errado e a bola sobrou para Mac Allister, que mandou uma bomba, mas Armani se esticou e defendeu.

Entre os 20 e 40 minutos, o jogo perdeu em qualidade e passou a ser mais disputado no meio de campo, obrigando Raphael Claus a trabalhar bastante. Foi então que Borré recebeu lançamento, dominou já limpando a marcação e bateu forte no contra-pé de Andrada, que conseguiu fazer a defesa. O Boca respondeu em jogada de contra-ataque.

Ábila foi lançado no mano a mano com Casco, cortou o lateral e rolou para o Capaldo, que cara a cara com Armani, bateu muito embaixo da bola e ela subiu demais. A última chance da primeira etapa foi do River. De la Cruz bateu falta com muito perigo e o goleiro do Boca jogou para escanteio.  Superioridade do River é recompensada

O segundo tempo seguiu com domínio do River Plate. Por isso, o técnico do Boca, Gustavo Alfaro, colocou Tévez em campo para melhorar a força ofensiva. As duas equipes continuavam tensas e o jogo com muitas faltas e passes errados. A primeira chance surgiu por acaso. Montiel tentou o cruzamento e a bola foi na direção do gol, pegando na trave.

No rebote, Borré não alcançou de cabeça e Fernandéz chutou travado pela zaga.  Fernandéz iniciou uma boa jogada ofensiva, abriu para De la Cruz na esquerda, que cruzou rasteiro procurando Borré. Más tentou fazer o corte e jogou em cima de Izquierdoz. A bola bateu no defensor e saiu raspando a trave. A superioridade do River deu resultado.

Fernandéz tocou para Suárez na direita, que cruzou e o mesmo Fernandéz apareceu entre os zagueiros para ampliar. Suárez quase fez o terceiro em chute da entrada da área por cobertura, mas Andrada espalmou. O Boca tentou responder na mesma moeda. Capaldo recebeu de Sálvio e mandou por cima, mas Armani deu um tapa para escanteio.

Em mais uma chegada do River, Casco cruzou e Scocco cabeceou com muito perigo. Em jogada de velocidade, Tévez tocou para Ábila, que se livrou do zagueiro mas bateu fraco, fácil para Armani.

Já nos acréscimos, Pratto enfiou para Scocco que avançou e bateu em cima de Andrada, mas o atacante estava impedido. Sem conseguir ameaçar e completamente dominado, o Boca Juniors deve comemorar o placar final.

O Gol