Suspeito preso por morte de segurança em JP seria o atirador e foi achado após denúncias

O homem preso suspeito de participar da morte do segurança Fábio Alves, em João Pessoa, seria o próprio atirador. Segundo apuração da TV Correio, o suspeito foi encontrado na casa da avó, na comunidade Porto de João Tota, em Mandacaru. A operação que prendeu o suspeito envolveu cerca de 30 policiais, entre civis e militares. A polícia chegou até o suspeito após denúncias anônimas.

“Também fomos informados sobre a suposta identidade do rapaz que pilotava a moto. Acreditamos que ele deve se apresentar à polícia o mais breve possível, mas de toda forma continuaremos em operação na comunidade e em todo entorno de Mandacaru para localizá-lo”, disse o capitão Sousa, da Polícia Militar.

Junto com o suspeito de ser o atirador, a polícia apreendeu um celular, um notebook e dois capacetes. Todos os objetos passarão por perícia. Apesar de ser apontado como executor do crime, o suspeito, que tem 28 anos, nega ter feito parte ou conhecer os responsáveis pelo assassinato do segurança.

De acordo com a coordenação de plantão da Central de Polícia Civil, quem recebeu a prisão do suspeito foi o delegado Aldrovilli Grisi. A redação tentou contato com ele para saber detalhes do depoimento do suspeito e quais os próximos passos da investigação, mas as ligações não tinham sido atendidas até a publicação desta matéria.

Fábio Alves de Lima foi atingido por tiros na cabeça na manhã da sexta-feira (1º) ao tentar evitar um assalto em frente à escola particular aonde trabalhava, na Avenida São Paulo, Bairro dos Estados.

O alvo dos bandidos era a mãe de uma aluna, que estava acompanhada da criança. Fábio atacou o assaltante por trás e tentou imobilizá-lo, mas acabou ferido. Imagens do circuito de segurança registraram toda a ação, incluindo o momento em que o atirador corre e sobe na garupa de uma moto que dava voltas no local aguardando a conclusão do roubo.

O segurança foi socorrido em estado grave para o Hospital de Emergência e Trauma e morreu no início da tarde de sábado. Enquanto ele esteve internado, houve grande mobilização nas redes sociais e dezenas de pessoas foram até o Hemocentro da Paraíba para doar sangue, na tentativa de salvar a vida de Fábio.

Portal Correio