João Pessoa 09/12/2018

Início » Política » “Tá vendo que é político?”: ‘Vereador-secretário’ se envolve em confusão e chama evento de servidores por salários atrasados de ato político, na cidade de Bayeux

“Tá vendo que é político?”: ‘Vereador-secretário’ se envolve em confusão e chama evento de servidores por salários atrasados de ato político, na cidade de Bayeux

O vereador Adriano Martins (MDB), da cidade de Bayeux, de envolveu num tumulto durante um evento promovido pelo sindicato dos servidores do município de Bayeux, nesta sexta-feira (9).
Em tom desesperado, servidores promoveram ato público em frente ao Paço Municipal para reivindicar os pagamentos dos seus salários, atrasados pela atual gestão, liderada pelo prefeito interino Nôquinha.
Ao falar ao público local, Adriano tentava se colocar ao lado dos servidores ali presentes, buscando se mostrar defensor de sua causa. Inclusive, o vereador afirmara que encontra-se com salário atrasado igualmente aos presentes por ter abdicado da condição de parlamentar (os vereadores estão com seus salários em dia) e assumido o posto de secretário, também com atrasos salariais.
“Eu estou com salário atrasado também”, disse.

Ato contínuo, Adriano seguiu sua linha de raciocínio fazendo uma severa defesa de Nôquinha e de sua gestão.
O secretário disse aos presentes que o atual prefeito vive resquícios da gestão Expedito, que teria deixado, segundo ele, dois meses de salários atrasados para o então eleito, Berg Lima.
Adriano enumerou causas e efeitos dessa “herança” deixada por Expedito, culminando com a atual situação por que passa o município.
“Seja lá quem for o prefeito em janeiro, não administra quem não quer”, disse Adriano, afirmando que Nôquinha deixa uma máquina enxuta e pronta para ser administrada.
O discurso, que bate de frente com o modus operandi da atual gestão, causou revolta aos servidores, que questionaram que tipo de enxugamento o atual prefeito estaria fazendo se a despesa com a folha disparou, serviços essenciais pararam ou estão precarizados e os salários estão atrasados, levando famílias inteiras ao desespero.
“Ele paga uns e outros não. Como você diz que ele tá enxugando a folha, se ele botou um monte de gente pra trabalhar? Ele vai buscar dinheiro onde? ”, gritou uma servidora.

O enxugamento a que Adriano se referia era em relação às demissões de servidores indicados pelos vereadores Jefferson Kita e Luciene de Fofinho, dois dos principais apoiadores da atual gestão, até então.
Neste momento, Adriano afirma que existe uma programação, mas se exime da responsabilidade e sugere que os secretários de Administração e de Finanças sejam procurados pelos servidores.
A partir daí, se inicia uma séria discussão. Questionado por um dos dirigentes sindicais, Adriano o chama de mentiroso e a conversa segue por outro caminho.
Uma servidora, no ápice do seu desespero, tentou tomar o microfone da mão do vereador-secretário, quando deu-se início a um princípio de tumulto no local.
Adriano acusou o ato, tipicamente voltado à causa do funcionalismo, de político, e uma intensa discussão foi iniciada, já com a presença da polícia.
“Tá vendo que é político?”, disse Adriano ao policial, que buscava mediar a situação naquele momento.

Adriano Martins tem 38 anos e está afastado do mandato de vereador, para o qual foi eleito pelo MDB, com 533 votos, no pleito de 2016.
Foi líder do então prefeito Luiz Antônio e tornou- Secretário de Infraestrutura na atual gestão.
Como dito, líder da bancada de Luiz Antônio na Câmara Municipal na época do episódio de sua cassação, hoje sub judice, Adriano foi muito contestado à época pelo fraco nível de articulação perante os colegas de parlamento quando não logrou êxito em reverter os resultados do processo que culminou com o afastamento do prefeito.
Já na gestão de Nôquinha, Adriano é visto na cidade como “secretário de um bairro só”. Segundo os moradores, o secretário do trabalha para o bairro Rio do Meio, onde mora.
Um dos principais símbolos da fatídica gestão de Nôquinha à frente da Prefeitura de Bayeux, Adriano gozava de certo prestígio no início do seu mandato, ainda em 2017, quando abraçou algumas causas de alcance mais popular, mas teve sua imagem unida à atual situação da cidade e tem caído no descrédito da população em virtude do seu trabalho em defesa da atual administração municipal.

News Paraíba