Taxa de desemprego aumenta no 2º trimestre de 2019 na Paraíba, diz IBGE

Taxa de desemprego aumenta no 2º trimestre de 2019 na Paraíba, diz IBGE

Pelo menos 449 mil pessoas na Paraíba trabalham por conta própria, segundo IBGE — Foto: Water Paparazzo/G1/Arquivo

A taxa de desemprego da Paraíba cresceu no segundo trimestre de 2019, segundo informação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgada nesta quinta-feira (15). Conforme a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), a taxa para os meses de abril-maio-junho ficou em 11,9%, um aumento de 0,8% em relação ao primeiro trimestre do ano.

No primeiro trimestre, aliás, a Paraíba havia ocupado o posto de menor taxa de desemprego do Nordeste. Com os dados divulgados pelo IBGE para o segundo trimestre, perdeu o posto para o Ceará, que apresentou uma taxa de desocupação de 10,9%. A estimativa é de que aproximadamente 201 mil pessoas na Paraíba estejam desempregadas. Em comparação ao 1° trimestre, são 15 mil pessoas a mais sem emprego no estado entre os meses de abril e junho.

Embora tenha sido registrado crescimento, a Paraíba ocupa o segundo lugar entre os estado do Nordeste com menor índice de desemprego e ainda está abaixo da média nacional, que é de 12%.

Se considerado o dado de pessoas que estão subocupadas por insuficiência de horas trabalhadas somado ao número de desocupados, no que o IBGE considera como força de trabalho potencial, a Paraíba teve 680 mil pessoas sem emprego ou trabalhando menos do que gostaria por falta de oportunidade no 2º trimestre, cerca de 5 mil a mais em relação aos três meses anteriores de 2019.

Outro dado relevante à Paraíba informado pelo IBGE indica que a Paraíba é o quarto estado do Brasil com maior taxa de informalidade. O percentual de pessoas de 14 anos ou mais de idade, ocupada na semana de referência como empregado SEM carteira entre os empregados do setor privado na Paraíba é de 43,5%, atrás apenas de Maranhão (49,7%), Piauí (48%) e Pará (47,3%).

Dados de emprego da Paraíba

  • 1,482 milhão de pessoas ocupadas
  • 449 mil pessoas trabalham por conta própria
  • 201 mil pessoas desempregadas
  • 680 mil pessoas sem emprego ou trabalhando menos do que gostaria por falta de oportunidade

G1PB