Temer aponta ‘boatos’ e diz que não deixou articulação política do governo

michel_temer_twitterO vice-presidente da República, Michel Temer, afirmou nesta sexta-feira por meio de mensagem no Twitter que são “boatos” as informações de que deixou a articulação política do governo.

“São infundados os boatos de que deixei a articulação política. Continuo. Tenho responsabilidades com meu país e com a presidente Dilma”, escreveu o vice-presidente em seu perfil no microblog. Temer assumiu a tarefa de articulador político do governo em

Além de dificuldades na economia, o governo Dilma Rousseff enfrenta a pior crise política desde o início do primeiro mandato da presidente. No Congresso, sofre sucessivas derrotas e encontra dificuldades para reunificar a base aliada, que se pulverizou e não é mais garantia para aprovação de matérias na Câmara e no Senado. A popularidade da presidente também vive o pior momento. Segundo o instituto Datafolha, o governo Dilma tem o maior índice de reprovação (71%) desde a redemocratização do país.

Segundo informou o Blog da Cristiana Lôbo, Temer chegou a colocar à disposição da presidente a função de articulador político do governo em razão de críticas de ministros petistas. Nesta quinta (6), em reunião com ministros do partido, Dilma pediu apoio a Temer.

Na última quarta-feira, o vice-presidente afirmou que a situação do país “é grave” e fez um apelo por união nacional. Na ocasião, ele afirmou que o país necessitava de alguém com capacidade de “reunificar a todos”. Essa declaração teria sido interpretada por petistas como um sinal de que ele próprio seria esse “alguém”.

De acordo com o Blog do Camarotti, em conversa com Dilma nesta quinta-feira, o vice usou de uma “vacina” para se proteger das intrigas palacianas: afirmou que ela poderia ficar à vontade para substituí-lo.

“Se eu estiver atrapalhando, presidente, fique muito à vontade. Não quero lhe prejudicar”, disse Temer, segundo reproduziu o blog. Dilma respondeu, de acordo com o blog: .”Não, Temer, de jeito nenhum. Você é muito importante para o meu governo”.

Na interpretação do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), Temer é “sabotado” pelo PT na função de articulador político do governo, segundo afirmou no mês passado.

Nesta sexta-feira, em São Paulo, o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, confirmou o encontro entre Dilma e Temer na quinta, mas não se referiu ao teor da conversa.

“Temer teve uma conversa muito produtiva com Dilma ontem [quinta-feira]”, disse o ministro durante ato em frente ao Instituto Lula, na Zona Sul de São Paulo.

O ministro negou que Temer tivesse pedido para deixar a articulação política. “Eu participei. Não tem essa informação [sobre deixar a articulação]”, declarou Mercandante. Perguntado sobre uma eventual renúncia de Dilma, afirmou: “Tenho mais coisa para fazer”.

O ministro da Comunicação Social, Edinho Silva, presente ao mesmo ato, afirmou que o vice-presidente ajuda na governabilidade.

“Temer é um quadro muito preparado e tem todas as condições de ajudar na governabilidade e ajudar a construir a maioria no Congresso Nacional”, disse o ministro.

* Colaborou o G1 São Paulo