‘Temos materiais mais impactantes do que os já publicados’, diz Glenn Greenwald sobre vazamentos

‘Temos materiais mais impactantes do que os já publicados’, diz Glenn Greenwald sobre vazamentos

Glenn Greenwald foi o convidado do Pânico nesta quinta-feira (13)

O jornalista Glenn Greenwald, do The Intercept Brasil, afirmou em entrevista ao Pânico que o arquivo recebido pelo site com conversas de procuradores da Lava Jato e o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, ainda tem muito material explosivo. “Temos materiais que vai ter mais impacto do que os que já publicamos”, disse.

Desde o último domingo (9), o site vem publicando trechos de conversas do procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, e Sergio Moro, que na época era juiz federal. Para Glenn, o material mostra que o processo que condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva estava comprometido. “Eles estavam falando publicamente o tempo todo que eram apartidários, mas, em segredo, estavam falando explicitamente que o objetivo deles, usando o poder do Estado como procuradores, era impedir que o PT voltasse ao poder”, afirmou. “Sergio Moro quebrou as regras éticas.”

O jornalista, que também foi o responsável por divulgar as informações que Edward Snowden coletou da NSA, em 2013, acredita que a condenação do ex-presidente foi corrompida, mesmo corroborada por outras instâncias judiciais. “Quando tem um juiz na primeira instância criando um recorte com motivos errados e não seguindo as regras éticas, o caso inteiro é corrupto”, explicou.

Ele defendeu que o caso seja julgado novamente. “Eu não posso imaginar como uma pessoa pode ficar na prisão condenada por um juiz que fez o que Sergio Moro fez”, disse, citando outros réus da Lava Jato. “Se nossa reportagem mostrar que Sérgio Cabral e Eduardo Cunhaforam condenados por um processo corrupto, vou defender também.”

Combate à corrupção

Glenn Greenwald ainda afirmou que o trabalho feito pelo The Intercept Brasil de divulgar o suposto conluio entre os procurados e o então juiz Sergio Moro fortalece o combate à corrupção no país. “Corrupção é um problema muito grave nesse país, não na direita ou na esquerda, mas em todas as partes”, disse. “Eu acredito muito que estamos fortalecendo a luta contra a corrupção revelando corrupção dentro da força-tarefa da Lava Jato”, continuou.

O americano ressaltou que mesmo as pessoas que combatem a corrupção precisam seguir regras. “Um juiz tem o poder de botar as pessoas na prisão, o poder mais grave que um humano pode ter. Precisamos insistir que pessoas que estão lutando contra a corrupção também têm que obedecer as leis”, defendeu. “Assim, a luta contra a corrupção vai ser mais forte e ter mais integridade.”

Novas publicações

Greenwald não quis dizer quando serão publicadas novas matérias sobre os vazamentos, mas afirmou que outros veículos de comunicação ajudarão o Intercept. “Todos os veículos da grande mídia no Brasil estão pedindo para trabalhar conosco para reportar o material que nós temos, exceto a Globo“, disse.

“Estamos conversando com outros grandes jornais e revistas que têm interesse. Outros jornais e jornalistas brasileiros terão acesso [ao arquivo]”, prometeu. Ele ressaltou que isso evita dúvidas sobre a legitimidade das conversas. “Vamos trabalhar o arquivo completo com outros veículos. Se mentimos, será descoberto.”

O jornalista ainda destacou que Deltan Dallagnol e Sergio Moro não contestaram a veracidade do conteúdo divulgado e questionou a reação dos envolvidos ao vazamento. “Se o que eles fizeram não é errado, por que eles ficaram três anos negando que estavam fazendo o que nós mostramos o que estavam fazendo?”.

  • Jovem Pan