João Pessoa 24/05/2019

Início » Destaque » ‘Tentei não me privar de nada’, diz jovem de 18 anos que conquistou 1º lugar geral do Sisu na PB

‘Tentei não me privar de nada’, diz jovem de 18 anos que conquistou 1º lugar geral do Sisu na PB

Com 848,9 pontos, Kamilla Azevedo contou que focou no que queria, tentando manter a estabilidade emocional.

Kamilla Azevedo conquistou o 1º lugar geral no Sisu, na Paraíba, além da mesma posição no curso de medicina da UFPB — Foto: Alysson Souza/Medway-JP/Divulgação

Com apenas 18 anos, recém completados no último sábado (26), a jovem Kamilla Azevedo Bringel conquistou o 1º lugar no curso de medicina, da Universidade Federal da Paraíba, e, com isso, o primeiro lugar geral no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2019 entre as instituições públicas da Paraíba. O resultado da primeira chamada do Sisu 2019 foi divulgado nesta segunda-feira (28).

A estudante, que mora em João Pessoa e terminou o 3º ano do Ensino Médio no ano passado, alcançou 848,9 pontos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018, com 980 pontos na redação.

Kamilla contou que não abriu mão de todos os momentos de lazer, mas que precisou focar no que queria.

“Porque eu sabia que ia valer a pena e abri mão um pouco. Saía no final de semana, passava tempo com a minha família, que era importante, para tentar a aprovação na maior tranquilidade possível”, disse.

Ela comentou também que contou com uma estrutura forte para conquistar a tão sonhada vaga e que teve, ainda, o apoio de um cursinho durante os cinco meses que antecederam a prova. “Ia para a cabine, assessoria e monitoria. Foi bom para ‘dar o gás’ na reta final e chegar mais confiante para a prova”, declarou.

Estabilidade emocional

A agora “fera” do curso de medicina relatou que se esforçou ao máximo na preparação para o Enem, que incluiu a realização de muitos simulados e questões, para que, aos poucos, ela fosse adquirindo “experiência de prova” e uma segurança maior. “Eu sempre tive uma base muito boa na minha escola, sempre tentei me dedicar ao máximo e captar ao máximo todos os assuntos curriculares”, destacou.

“Tentei ser o mais tranquila o possível, tentei não me privar de nada para manter uma estabilidade emocional para a prova”, pontuou.

Apesar disso, a jovem destacou que a rotina de estudos era voltada para os três turnos do dia. “Eu ia para a escola pela manhã, voltava, almoçava e ia para o cursinho, para a minha cabine, à tarde. Se eu não me engano, eu estudava das 15h até as 19h, parava para jantar e estudava mais um pouco à noite. Eu estudei bastante, muitas horas esse último ano”, lembrou.

Ela contou que, aos finais de semana, diminuía o ritmo dos estudos. “No sábado eu estudava pela manhã, à tarde fazia um simulado e à noite saía com minha família ou com meus amigos. No domingo eu preferia descansar e fazer um estudo mais passivo, sem aprofundar tanto assim. Ou lia meus resumos da semana, ou fazia um simulado à tarde e tirava para descansar mais”, disse.

Kamilla afirmou que o apoio da família também foi algo importante nesse período. “Eles entendiam também quando eu não podia sair, tentaram me disponibilizar a melhor estrutura possível, acadêmica e profissional, pra eu poder conquistar essa aprovação”, frisou.

Para aqueles que ainda estão em busca de uma vaga no curso tão desejado, a dica que Kamilla dá é que busquem segurança para fazer a prova e tenham confiança em si mesmos.

“Tentar dar o máximo do máximo possível. Porque, no final, vai valer a pena. Buscar segurança, porque a bagagem eu acho que cada um tem a sua, então buscar se apropriar mesmo disso que já tem e ampliar o máximo possível”, salientou.

*Sob supervisão de Krys Carneiro