João Pessoa 22/04/2019

Início » Notícias » Testemunha diz ter visto homem pular do helicóptero antes da explosão que matou Boechat

Testemunha diz ter visto homem pular do helicóptero antes da explosão que matou Boechat

Vendedora que passava de moto no local ajudou ainda a resgatar motorista do caminhão

SÃO PAULO — A vendedoraLeiliane Rafael da Silva, de 28 anos, que passava pela Rodovia Anhanguera no momento da queda do helicóptero que matou o jornalista Ricardo Boechat, contou, em depoimento, ter visto um homem pular da aeronave antes da colisão com o caminhão. Com base em informações obtidas com o Instituto Médico Legal (IML) sobre a localização dos corpos, o delegado Luis Roberto Hellmester acredita a pessoa que pulou da aeronave era Boechat.

Leiliane estava na garupa da moto do marido quando viu o helicóptero voando muito baixo.

— Eu falei para o meu marido: eu acho que ele vai pousar na pista. Quando eu olhei para trás, eu vi uma pessoa pulando. Depois que a pessoa pulou, o helicóptero se chocou com uma carreta que vinha saindo do rodoanel e explociu.

O delegado disse que o IML informou que a pessoa que estava nas ferragens do helicóptero era o piloto Ronaldo Quatrucci e, do lado de fora, Boechat.

— Também acredito que o piloto estava no comando e não deixaria o helicóptero — afirmou.

Além de ter testemunhado o acidente, Leiliane também foi fundamental para o resgate do motorista do caminhão atingido pelo helicóptero, João Adroaldo Tomanckeves, de 52 anos.

Logo depois de ver o acidente, ela desceu da moto e correu em direção ao veículo.

— Não pensei em nada. Falei para parar a moto e voltei correndo.Fui checar no caminhão para ver se tinha alguém vivo. O moço estava vivo, felizmente.

A vendedora pediu uma faca para um grupo de trabalhadores que estava limpando o mato do canteiro da estrada para cortar o cinto de segurança.

— A gente tirou ele para fora pelo vidro porque a porta estava emperrada e não saia.

Leiliane vive em Pirituba, na Zona Norte de São Paulo, e  tem três filhos: uma menina de 8 anos, um menino de 3 anos e um bebê de quatro meses. Prestes a passar por uma cirurgia, Leiliane tinha sido orientada a não passar por situações de estresse.

— No momento, eu queria ajudar e não pensei em mais nada.

O Globo