João Pessoa 09/12/2018

Início » Variedades » The Sinner volta a surpreender com sua trama de crime, culpa e castigo

The Sinner volta a surpreender com sua trama de crime, culpa e castigo

Segunda rodada já revela, logo no primeiro capítulo, a identidade do assassino e de suas vítimas

Por quê?
Essa é a principal pergunta a ser respondida em The sinner, série disponível na Netflix. Na primeira temporada, a questão era descobrir o que levou Cora Tanetti (Jessica Biel) a matar um desconhecido, na praia, com sete facadas. Por meio de flashbacks, o espectador conhece o passado da personagem. A partir do sétimo episódio, passa a compreender Cora.

A segunda rodada já revela, logo no primeiro capítulo, a identidade do assassino e de suas vítimas. Desta vez, é preciso descobrir o que motivou Julian (Elisha Henig), um garoto de 11 anos, a matar os próprios pais.

As temporadas de The sinner apresentam tramas independentes com elementos em comum. Resolvido o drama de Cora, o detetive Harry Ambrose (Bill Pullman) está de volta para solucionar o caso do menino assassino, desta vez acompanhado da policial Heather Novack (Natalie Paul). A trama fica mais complexa a cada episódio, especialmente a partir do momento em que surge Vera (Carrie Coon), alegando ser a verdadeira mãe de Julian. Os arcos pessoais dos investigadores se entrelaçam com as pistas, pois os dois nasceram na pequena cidade onde o crime ocorreu.

Para boa parte da crítica, a segunda temporada conseguiu superar a primeira – especialmente no que diz respeito ao ritmo. A trama de Cora é mais lenta, enquanto a história de Julian é dinâmica e apresenta revelações bem dosadas a cada episódio. Se na primeira rodada a presença de Jessica Biel (agora produtora-executiva da série) arrebatava o espectador, os novos capítulos também contam com ótimas atuações. Carrie Coon (do seriado Fargo) atua com maestria, constrói uma Vera dúbia, intensa e apaixonada. O detetive de Bill Pullman garante cenas excelentes.

A culpa é o elo entre as duas temporadas. Ao investigar o caso de Cora, Ambrose descobre que ela teve educação extremamente rígida, a mãe a responsabilizava pela doença da caçula Phoebe (Nadia Alexander). Cora introjetou esse sentimento, punindo-se em diferentes momentos.

O garoto Julian é dominado pelo remorso. Em determinada cena, chega a questionar: “Quando você para de se sentir culpado? Quando isso acaba?”. O detetive Harry Ambrose, às voltas com os próprios arrependimentos, aconselha: “Se fosse você, confrontaria esse sentimento. Se deixar, ele vai te destruir”.

A tensão é crescente. A partir do quinto episódio, é difícil desgrudar os olhos da tela. A resolução do caso Julian supreende, ao passo que a história é muito bem concluída, eficiente em abordar conflitos morais.

* Estagiária sob supervisão da editora-assistente Ângela Faria

em