“Tradicional Justiça tem que ser recuperada”, dispara RC ao cobrar restabelecimento dos direitos de Lula como cidadão

“Tradicional Justiça tem que ser recuperada”, dispara RC ao cobrar restabelecimento dos direitos de Lula como cidadão

O ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) voltou a falar sobre o vazamento das mensagens entre Sérgio Moro, enquanto ainda era juiz federal e o procurador da República Deltan Dallagnol.

De acordo com Ricardo o julgamento do ex-presidente Lula dentro da Operação Lavo Jato não deveria ser considerado sequer como um julgamento e cobrou o restabelecimento dos direitos de Lula como cidadão.

“Evidentemente que um julgamento como esse não pode ser considerado julgamento. O presidente Lula tem que ser o seu direito de cidadão respeitado e colocado imediatamente em liberdade. Ninguém pode ser preso sem provas concretas. Ninguém pode ser preso só por ouvi dizer. Ninguém pode manipular o sistema judiciário para prejudicar quem quer que seja. Estou falando isso em defesa do judiciário e do Ministério Público” disse.

Ricardo ainda declarou que os fins não justificam os meios e a tradicional justiça tem que ser recuperada no país.

“Nós não podemos confundir a atitude equivocada de um juiz ou de poucos juízes, ou de poucos procuradores, com um universo de gente que tem feito um trabalho extraordinário e que eu creio que isso que aconteceu não atrapalha o combate à corrupção. Esse combate é uma necessidade do povo, mas isso tem que ser feito dentro da lei, da ordem e da justiça. Não pode haver atropelos em função de dizer que o fim justificam os meios. Os fins não justificam os meios. Você não pode ter o instrumento da prisão preventiva como sendo algo normal. Se deixa um ano uma pessoa presa até que ela diga aquilo que por ventura investigador queira que ela diga. Ou seja, a tradicional justiça tem que ser recuperada. Os instrumentos de investigação têm que ser recuperados. Não se pode trancar alguém preventivamente por tempo indefinido e achar que essa pessoa só sairá de lá quando confessar o que o julgador quer que seja confessado. Não é possível que as coisas sejam assim” ressaltou.

As declarações repercutiram durante uma entrevista do ex-governador a uma emissora de rádio de João Pessoa.

PB Agora