Turquia mantém prisão de presidente da Anistia Internacional

ISTAMBUL, 26 OUT (ANSA) – O Tribunal de Esmirna, na Turquia, rejeitou nesta quinta-feira (26) o pedido de libertação do presidente da ONG Anistia Internacional no país, Taner Kilic, que é acusado de “terrorismo”.

O ativista está detido desde junho por suspeita de ligação com o clérigo e bilionário Fethullah Gülen, tido por Ancara como articulador do fracassado golpe de Estado de julho de 2016.

Kilic participou nesta quinta da primeira audiência do processo contra ele e se declarou inocente.

O presidente da Anistia na Turquia é acusado de ter baixado um aplicativo, o “ByLock”, usado por integrantes da rede de Gülen para enviar mensagens criptografadas. Duas perícias contratadas pela ONG sustentam que o app sequer foi instalado no celular do réu.

A audiência ocorreu no dia seguinte à libertação de oito ativistas pelos direitos humanos que estavam presos desde julho, incluindo a diretora da Anistia Internacional no país, Idil Eser. Todos eles também são acusados de terrorismo e comparecerão ao tribunal em 22 de novembro, ao lado de Kilic, já que a Justiça unificou os casos.

“Nas últimas 24 horas, vimos a obra das duas mãos do volúvel sistema judiciário da Turquia. Enquanto uma dá a liberdade, a outra, frente a acusações infundadas, a tira”, disse o secretário-geral da ONG, Salil Shetty.

Agência Ansa