UEPB consegue descongelamento das progressões de carreira dos professores

Depois de quase três anos com seus salários congelados, os professores da Universidade Estadual da Paraíba conseguiram fechar hoje um acordo com o Governo do Estado e a Reitoria da UEPB para descongelar a aplicação das suas progressões de carreira que estão retidas desde 2016, quando a lei estadual Nº 10.660/2016, congelou reajustes salariais e progressões para todos os servidores do poder executivo.

O acordo fechado permitirá a incorporação das progressões que deveria ter sido aplicadas aos salários nos anos de 2015, 2016 e 2017, a partir de outubro. O presidente da ADUEPB, Nelson Júnior, explicou que o Governo do Estado não abriu espaço para nenhum tipo de negociação sobre reposição salarial, mas que o sindicato continuará pautando esta reivindincação.

Com a liberação para a incorporação da progressão de carreira, a estimativa é que cada professor que acesse este direito tenha um acréscimo de 8% em seu vencimento. De acordo com o Plano de Cargos, Carreira e Remunerações da UEPB, os docentes podem progredir a cada dois anos.

O presidente da UEPB, Nelson Júnior, avaliou que o acordo foi resultado das mobilizações da categoria, dos três meses de greve deste ano e das ações políticas da diretoria. “É importante ressaltar a força da unidade dos professores com os técnico-administrativos e do apoio dos estudantes, através do DCE-UEPB”, lembrou.

O acordo entre o Governo, a Reitoria da UEPB e os sindicatos dos técnico-administrativos e dos professores foi fechado numa reunião que ocorreu no início da tarde, no Aeroporto João Suassuna, com a presença do governador Ricardo Coutinho e do secretário executivo de planejamento, Fábio Maia.

Do encontro também participaram o reitor da UEPB, Rangel Júnior, o presidente do Sintespb, Fernando Borges e o vice-presidente da Secretaria Regional NE II do ANDES-SN, Josevaldo Cunha, que acompanhou todo processo de negociação, nos últimos dois meses. Também participaram do encontro diretora secretária da ADUEPB, Elizabete Vale e do representante da Comissão de Negociação, Etham Barbosa.

Greve

A Greve dos docentes da UEPB ocorreu nos meses de abril, maio e junho deste ano e tinha como principais reivindicações o cumprimento da Lei de Autonomia Financeira da UEPB, a garantia dos valores do duodécimo da UEPB de acordo com o orçamento construído e aprovado pelo Consuni, no valor de $ 410 milhões, reposição 23,61%, o descongelamento do PCCR, o concurso público para docentes e contratação imediata dos concursados, a consolidação/construção de infraestrutura adequada aos campi, controle social do orçamento da universidade, cumprimento do acordo da Greve 2015, ampliação e melhorias na Política de Assistência Estudantil.

ASSEMBLEIA

Na próxima quarta-feira (27/09), a diretoria da ADUEPB realizará uma assembleia geral da categoria, a partir das 9h, com a seguinte pauta: 1) Informes, 2) conclusão das negociações com o Governo do Estado e 3) Encaminhamentos. O local ainda não foi definido e será divulgado nos próximos dias.

Da Redação com Assessoria