João Pessoa 18/02/2019

Início » Câmara em foco » Vereador de JP ‘bate o pé’ e quer aprovação de título de cidadania a Bolsonaro

Vereador de JP ‘bate o pé’ e quer aprovação de título de cidadania a Bolsonaro

Em entrevista ao ClickPB nesta quarta-feira (26), ele declarou que “as próprias urnas trouxeram esse título” para Bolsonaro.

Carlão diz que título de cidadão de JP foi dado a pessoas menos importantes e que deve ser concedido a Bolsonaro (Foto: ClickPB/Arquivo)

A votação do título de cidadão pessoense ao presidente eleito Jair Bolsonaro (PLS) ficou para o ano de 2019, de acordo com o vereador Carlão da Consolação, propositor do projeto. Em entrevista ao ClickPB nesta quarta-feira (26), ele declarou que “as próprias urnas trouxeram esse título” para Bolsonaro.

Carlão continua a defender o título para Bolsonaro. “A gente mergulha no que tem de mais importante para a cidade de João Pessoa. A coisa foi se desenvolvendo de forma tal que não votamos o título de cidadão pessoense para Jair Messias Bolsonaro. O que eu entendo hoje é que as próprias urnas trouxeram esse título. Bolsonaro conseguiu alcançar os 55% das urnas em João Pessoa sem ter gastado R$ 800 milhões de campanha como gastou a presidente Dilma.”

Ele argumentou a apresentação da proposta na CMJP. “A gente está num momento de grande rotação política, de grande mudança. Primeiro, o regimento me dá a condição de que qualquer homem que tenha feito algo pela União, pelo estado ou pela cidade pode sim ser atribuído a ele o título de cidadão pessoense. Hoje, Bolsonaro conseguiu alcançar uma política diferente. E por si só, pelas bandeiras que ele defendeu, trouxe uma mudança na rotação política. Hoje, aquele mundo de corrupção que permeava a política não está acompanhado ou atrelado à própria política de Bolsonaro. E foi com essa ruptura na velha política e o lance e o olhar para uma política nova que o faz merecer o título de cidadão pessoense.”

Carlão disse o que considera motivar a polêmica em torno do projeto de título de cidadão pessoense a Bolsonaro. “Eu entendo que isso se deu porque ele rompeu paradigmas. A gente recebeu títulos aqui de embaixadores de países que a gente mal conhecia. A gente deu títulos a pessoas de bem menos importância ou envergadura na política nacional e ainda assim ninguém se insurgiu contra. Quando se insurge contra a pessoa de Bolsonaro, a gente entende muito bem que ali está tendo uma narrativa de esquerda, uma narrativa hoje de política progressista, que está indo contrária à política atual que vai ser de um homem que adotou políticas direitistas e conservadoras.”

ClickPB