Vereador propõe "Voto de Profundo Pesar" pela morte de jornalista, Paulo Henrique Amorim

Vereador propõe “Voto de Profundo Pesar” pela morte de jornalista, Paulo Henrique Amorim

O vereador Sebastião do Sindicato (PT) propôs “Voto de Profundo Pesar”em virtude da morte de renomado jornalista em nível Nacional e Internacional Paulo Henrique Amorim. falecido na madrugada do dia 10 de Julho de 2019. De acordo com o autor da propositura o parlamentar Sebastião do Sindicato apresentará a moção de pesar pelos relevantes serviços prestado ao Brasil pelos maiores veículos de comunicação levando informação de qualidade e pela independência em seus comentários de opiniões político social.

Conforme o parlamentar Sebastião do Sindicato o Jornalista Paulo Henrique Amorim morreu na madrugada desta quarta-feira (10)aos 77 anos. Ele morreu em casa, no Rio de Janeiro, quando sofreu um enfarte fulminante. Paulo Henrique Amorim trabalhava na área desde 1961. Entre 2006 e 2019, foi apresentador e repórter do Domingo Espetacular pela Record. Atualmente, além de escrever para jornais e revistas pelo País, mantinha o “Blog Conversa Afiada”,. Ele deixa uma filha e a mulher, Geórgia Pinheiro.

Nascido no dia 22 de Fevereiro de 1943 no Rio de Janeiro, Paulo Henrique Amorim era formado em Sociologia e Política. Filho de jornalista e estudioso do espiritismo   Deolindo Amorim, seguiu os passos do pai desde cedo, trabalhando na imprensa desde adolescente. Paulo Henrique amorim estreou no jornal A noite, 1961. Depois foi para Nova York, atuando como correspondente internacional da Revista Realidade e, posteriormente, da revista Veja.

Na televisão, passou pela extinta TV Manchete e pela TV Globo, também como correspondente internacional. em 1996, foi para a TV Bandeirantes, onde apresentou o Jornal da Band. Depois passou pela TV Cultura. Em 2003, foi contratado pela Record, onde apresentou o Jornal Record. Também ajudou a criar a Revista Eletrônica. Tudo a Ver na emissora. Depois assumiu a apresentação do Domingo Espetacular, onde ficou até junho deste anos.

O jornalista participou de grandes coberturas como a da eclosão do Vírus ebola na África (1975 a 1976); a eleição (1992) e a posse do então presidente norte-americano Bill Clinton (1993); os distúrbios raciais (1992) e o terremoto (1994) de Los Angeles: a guerra civil de Ruandas e a rebelião zapatista no México (1994).

 

Lamartine do Vale