João Pessoa 10/12/2018

Início » Câmara em foco » Vereadora aponta ‘manobra’ após adiamento de análise da emenda que pode definir eleições diretas em Bayeux

Vereadora aponta ‘manobra’ após adiamento de análise da emenda que pode definir eleições diretas em Bayeux

O projeto para que haja eleições diretas em Bayeux seria votado na semana passada, mas foi adiado para a terça-feira (20).

Vereadora apontou que houve ‘manobra’ após adiamento de análise da emenda que pode definir eleições diretas em Bayeux (Foto: Walla Santos/ClickPB)

A Câmara de Bayeux deve votar nesta terça-feira (20) a proposta de emenda à Lei Orgânica que define eleições diretas com a vacância no cargo de prefeito e de vice-prefeito. Berg Lima segue afastado e o vice, Luiz Antônio (PSDB), foi cassado. O projeto para que haja eleições diretas em Bayeux seria votado na semana passada, mas foi adiado para amanhã.

A informação foi confirmada ao ClickPB pela vereadora Luciene de Fofinho (PSB). Ela disse que o presidente da Casa decretou a sessão da terça-feira (13) como declaratória por causa da ausência de vários vereadores. A parlamentar argumentou que essa foi uma “manobra suja” para não se “discutir a matéria de mudança da Lei Orgânica que irá disciplinar sobre as Eleições Diretas em Bayeux.”

“Tristeza, revolta, falta de respeito para com o povo e com os pares que compareceram na sessão de hoje 13/11/2018, estranhamente houve uma ausência coletiva de vários Vereadores, onde de forma descarada o Presidente da Câmara Adriano do Táxi decretou a sessão declaratória por falta de coro”, compartilhou em rede social a vereadora Luciene de Fofinho, que tem mobilizado uma verdadeira campanha com o pedido de “Diretas Já” para o município de Bayeux.

Bayeux está sendo administrada interinamente pelo vereador Noquinha (PSL). Havendo vacância, caso Berg seja cassado ou renuncie, é a Câmara quem escolherá o novo prefeito e o novo vice, segundo a regra atual local.

A Lei Orgânica do município difere da regra geral que é de eleições diretas nos dois primeiros anos de mandatos, caso haja vacância dos cargos no Poder Executivo. Em Cabedelo, por exemplo, haverá votação popular para a escolha dos novos prefeito e vice, já que Leto Viana renunciou no dia 16 de outubro e o vice-prefeito Flávio Oliveira morreu no dia 15 de julho.

Alguns vereadores ameaçam travar a pauta da Câmara, caso não seja apreciada a PEC que pode dar a possibilidade de eleições diretas em Bayeux. A intenção é também entrar com ação judicial, caso não haja apreciação da proposta.

“Há uma previsão de que, após o recebimento da emenda, ela vai ser lida amanhã, se houve quórum. Sendo lida e acatada, a emenda passa para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ)”, disse o procurador da Câmara, Cecílio Ramalho, em entrevista a uma rádio da Capital.

ClickPB